José de Sousa Saramago

Portugal
16 Nov 1922 // 18 Jun 2010
Escritor [Nobel 1998]

Não me Peçam Razões...

Não me peçam razões, que não as tenho,
Ou darei quantas queiram: bem sabemos
Que razões são palavras, todas nascem
Da mansa hipocrisia que aprendemos.

Não me peçam razões por que se entenda
A força de maré que me enche o peito,
Este estar mal no mundo e nesta lei:
Não fiz a lei e o mundo não aceito.

Não me peçam razões, ou que as desculpe,
Deste modo de amar e destruir:
Quando a noite é de mais é que amanhece
A cor de primavera que há-de vir.

José Saramago, in "Os Poemas Possíveis"
// Consultar versos e eventuais rimas

Outros Poemas de José de Sousa Saramago:

Pesquisa

Química

Sublimemos, amor. Assim as flores/ No jardim não morreram se o perfume/ No cristal da essência se defende./ Passemos nós as provas, os ardores:/ Não caldeiam instintos sem o lume/ Nem o secreto aroma...

No Coração, Talvez

No coração, talvez, ou diga antes:/ Uma ferida rasgada de navalha,/ Por onde vai a vida, tão mal gasta./ Na total consciência nos retalha./ O desejar, o querer, o não bastar,/ Enganada procura da raz...

Demissão

Este mundo não presta, venha outro./ Já por tempo de mais aqui andamos/ A fingir de razões suficientes./ Sejamos cães do cão: sabemos tudo/ De morder os mais fracos, se mandamos,/ E de lamber as mãos...
Inspirações
Facebook