José Manuel Mendes

Portugal
n. 1948

Não Voltarás

não voltarás
olhando as ruas
na vidraça nua os zimbros
da terra ocre

moras secreta nestes barros
tua flauta canta nas montanhas
pedras e trepadeiras se enroscam
perto do teu rosto
e são de
água

sabes plantar o odor
dos frutos
tangerina limão
pássaras orvalho
a nervura das manhãs
e o lume dos poemas
quente metalurgia
das palavras

como ontem (tu eras morta)
prolonga-te nestas mãos
no maio das rotas
de abril
tecidas

José Manuel Mendes, in 'Rosto Descontínuo'




Outros Poemas de José Manuel Mendes:

Facebook

Inspirações

As Nossas Portas

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE