Cecília Meireles

Brasil
7 Nov 1901 // 9 Nov 1964
Poeta/Escritora

Ninguém me Venha Dar Vida

Ninguém me venha dar vida,
que estou morrendo de amor,
que estou feliz de morrer,
que não tenho mal nem dor,
que estou de sonho ferida,
que não me quero curar,
que estou deixando de ser
e não me quero encontrar,
que estou dentro de um navio
que sei que vai naufragar,
já não falo e ainda sorrio,
porque está perto de mim
o dono verde do mar
que busquei desde o começo,
e estava apenas no fim.

Corações, por que chorais?
Preparai meu arremesso
para as algas e os corais.

Fim ditoso, hora feliz:
guardai meu amor sem preço,
que só quis a quem não quis.

Cecília Meireles, in 'Poemas (1947)'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Recado aos Amigos Distantes

Meus companheiros amados,/ não vos espero nem chamo:/ porque vou para outros lados./ Mas é certo que vos amo./ / Nem sempre os que estão mais perto/ fazem melhor companhia./ Mesmo com sol encoberto,...

Não te Fies do Tempo nem da Eternidade

Não te fies do tempo nem da eternidade/ que as nuvens me puxam pelos vestidos,/ que os ventos me arrastam contra o meu desejo./ Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,/ que amanhã morro e não te vejo!...

Lua Adversa

Tenho fases, como a lua,/ Fases de andar escondida,/ fases de vir para a rua... / Perdição da minha vida!/ Perdição da vida minha!/ Tenho fases de ser tua, / tenho outras de ser sozinha./ / Fases que...
Inspirações

Sempre Bem Disposto

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE