Paul Verlaine

França
30 Mar 1844 // 8 Jan 1896
Poeta

O Amor no Chão

O vento da outra noite derrubou o Amor
Que, no mais misterioso recanto do parque,
Nos sorria, ao esticar malignamente o arco,
E cujo ar nos fez meditar com fervor!

O vento da outra noite derrubou-o! O mármore
com o sopro da manhã, disperso, gira. É triste
Olhar o pedestal, onde o nome do artista
Se lê com muito esforço à sombra de uma árvore,

É triste ver em pé, sozinho, o pedestal!
Melancólicos vêm e vão pensamentos
No meu sonho, onde o mais profundo sofrimento
Evoca um solitário futuro fatal.

É triste! — E mesmo tu, não é? ficas tocada
Plo cenário dolente, embora te divirtas
Com a borboleta rubra e de oiro, que se agita
Sobre a alameda, além, de destroços juncada.

Paul Verlaine, in "Festas Galantes"
Tradução de Fernando Pinto do Amaral
// Consultar versos e eventuais rimas




Outros Poemas de Paul Verlaine:

Facebook

Inspirações

Lidar com os Outros

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE