Eugénio de Castro

Portugal
4 Mar 1869 // 17 Ago 1944
Escritor

O Anel de Corina

Enquanto espera a hora combinada
De o remeter com flores a Corina,
Ovídio oscúla o anel que lhe destina
E em que uma gema fulge bem gravada.

— « Como eu te invejo, ó prenda afortunada !
« Com ela vais dormir, mimosa e fina,
« Com ela has-de banhar-te na piscina
« Donde sairá, qual Venus, orvalhada,

« O dorso e o seio lhe verás de rosas,
« E selarás as cartas deliciosas
« Com que em minh'alma alento e esp'rança verte...

« E temendo (suprema f'licidade!)
« Que a cera adira á pedra, ai! então ha-de
« Com a ponta da língua humedecer-te! »

Eugénio de Castro, in 'Camafeus Romanos'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE