Charles Baudelaire

França
9 Abr 1821 // 31 Ago 1867
Poeta/Escritor/Crítico

O Homem e o Mar

Homem livre, o oceano é um espelho fulgente
Que tu sempre hás-de amar. No seu dorso agitado,
Como em puro cristal, contemplas, retratado,
Teu íntimo sentir, teu coração ardente.

Gostas de te banhar na tua própria imagem.
Dás-lhe beijo até, e, às vezes, teus gemidos
Nem sentes, ao escutar os gritos doloridos,
As queixas que ele diz em mística linguagem.

Vós sois, ambos os dois, discretos tenebrosos;
Homem, ninguém sondou teus negros paroxismos,
Ó mar, ninguém conhece os teus fundos abismos;
Os segredos guardais, avaros, receosos!

E há séculos mil, séc'ulos inumeráveis,
Que os dois vos combateis n'uma luta selvagem,
De tal modo gostais n'uma luta selvagem,
Eternos lutador's ó irmãos implacáveis!

Charles Baudelaire, in "As Flores do Mal"
Tradução de Delfim Guimarães
Obtido em Wikisource
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

A Música

A música p'ra mim tem seduções de oceano!/ Quantas vezes procuro navegar,/ Sobre um dorso brumoso, a vela a todo o pano,/ Minha pálida estrela a demandar!/ / O peito saliente, os pulmões distendidos/...

Spleen

Quando o cinzento céu, como pesada tampa,/ Carrega sobre nós, e nossa alma atormenta,/ E a sua fria cor sobre a terra se estampa,/ O dia transformado em noite pardacenta;/ / Quando se muda a terra em...

O Albatroz

Às vezes no alto mar, distrai-se a marinhagem/ Na caça do albatroz, ave enorme e voraz,/ Que segue pelo azul a embarcação em viagem,/ Num vôo triunfal, numa carreira audaz./ / Mas quando o albatroz s...