Manuel António Pina

Portugal
18 Nov 1943 // 19 Out 2012
Jornalista/Poeta/Escritor

O Medo

Ninguém me roubará algumas coisas,
nem acerca de elas saberei transigir;
um pequeno morto morre eternamente
em qualquer sítio de tudo isto.

É a sua morte que eu vivo eternamente
quem quer que eu seja e ele seja.
As minhas palavras voltam eternamente a essa morte
como, imóvel, ao coração de um fruto.

Serei capaz
de não ter medo de nada,
nem de algumas palavras juntas?

Manuel António Pina, in "Nenhum Sítio"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Amor como em Casa

Regresso devagar ao teu/ sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que/ não é nada comigo. Distraído percorro/ o caminho familiar da saudade,/ pequeninas coisas me prendem,/ uma tarde num café, u...

Completas

A meu favor tenho o teu olhar/ testemunhando por mim/ perante juízes terríveis:/ a morte, os amigos, os inimigos./ / E aqueles que me assaltam/ à noite na solidão do quarto/ refugiam-se em fundos sít...

O Lado de Fora

Eu não procuro nada em ti,/ nem a mim próprio, é algo em ti/ que procura algo em ti/ no labirinto dos meus pensamentos./ / Eu estou entre ti e ti,/ a minha vida, os meus sentidos/ (principalmente os ...
Inspirações
Facebook