Gonçalves Crespo

Portugal
11 Mar 1846 // 11 Jun 1883
Poeta/Jurista

O Relógio

            No álbum de Eduardo Burnay

Ebúrneo é o mostrador: as horas são de prata
Lê-se a firma Bruguet por baixo do gracioso
Rendilhado ponteiro; a tampa é enorme e chata:
Nela o esmalte produz um quadro delicioso.

Repara: eis um salão: casquilho malicioso
Das festas cortesãs o mimo, a flor, a nata,
Junto a um cravo sonoro a alegre voz desata.
Uma fidalga o escuta ébria de amor e gozo.

Rasga-se ampla a janela; ao longe o olhar descobre
O correto jardim e o parque extenso e nobre.
As nuvens no alto céu flutuam como espumas,

Da paisagem no fundo, em lago transparente,
Onde se espelha o azul e o laranjal frondente,
Um cisne à luz do sol estende as níveas plumas.

Gonçalves Crespo, in 'Nocturnos'




Outros Poemas de Gonçalves Crespo:

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE