António Nobre

Portugal
16 Ago 1867 // 18 Mar 1900
Poeta

O Sr. Abbade

Quando vem Junho e deixo esta cidade,
Batina, Caes, tuberculozos céus,
Vou para o Seixo, para a minha herdade:
Adeus, cavaco e luar! choupos, adeus!

Tomo o regimen do Sr. Abbade,
E faço as pazes, elle o quer, com Deus.
No seu direito olhar vejo a bondade,
E ás capellinhas vou ver os judeus.

Que homem sem par! Ignora o que são dores!
Para elle uma ramada é o pallio verde,
Os cachos d'uvas são as suas flores!

Ao seu passal chama elle o mundo todo...
Sr. Abbade! olhe que nada perde:
Viva na paz, ahi, longe do lodo.

António Nobre, in 'Só'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Inspirações

Ser Autêntico

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE