António Nobre

Portugal
16 Ago 1867 // 18 Mar 1900
Poeta

Ó Virgens!

Ó virgens que passaes, ao sol-poente,
Pelas estradas ermas, a cantar!
Eu quero ouvir uma canção ardente
Que me transporte ao meu perdido lar...

Cantae-me, n'essa voz omnipotente,
O sol que tomba, aureolando o mar,
A fartura da seara reluzente,
O vinho, a graça, a formozura, o luar!

Cantae! cantae as limpidas cantigas!
Das ruinas do meu lar desatterrae
Todas aquellas illuzões antigas

Que eu vi morrer n'um sonho, como um ai...
Ó suaves e frescas raparigas;
Adormecei-me n'essa voz... Cantae!

António Nobre, in 'Só'
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

O Somno de João

O João dorme... (Ó Maria,/ Dize áquella cotovia/ Que falle mais devagar:/ Não vá o João, acordar...)/ / Tem só um palmo de altura/ E nem meio de largura:/ Para o amigo orangotango/ O João seria... um...

Vaidade, Tudo Vaidade!

Vaidade, meu amor, tudo vaidade!/ Ouve: quando eu, um dia, for alguem,/ Tuas amigas ter-te-ão amizade,/ (Se isso é amizade) mais do que, hoje, têm./ / Vaidade é o luxo, a gloria, a caridade,/ Tudo va...

À Luz da Lua!

Iamos sós pela floresta amiga,/ Onde em perfumes o luar se evola,/ Olhando os céus, modesta rapariga!/ Como as crianças ao sair da escola./ / Em teus olhos dormentes de fadiga,/ Meio cerrados como o ...
Inspirações

Ser Autêntico