Pablo Neruda

Chile
12 Jul 1904 // 23 Set 1973
Poeta [Nobel 1971]

Para o Meu Coração...

Para o meu coração basta o teu peito,
para a tua liberdade as minhas asas.
Da minha boca chegará até ao céu
o que dormia sobre a tua alma.

És em ti a ilusão de cada dia.
Como o orvalho tu chegas às corolas.
Minas o horizonte com a tua ausência.
Eternamente em fuga como a onda.

Eu disse que no vento ias cantando
como os pinheiros e como os mastros.
Como eles tu és alta e taciturna.
E ficas logo triste, como uma viagem.

Acolhedora como um velho caminho.
Povoam-te ecos e vozes nostálgicas.
Eu acordei e às vezes emigram e fogem
pássaros que dormiam na tua alma.

Pablo Neruda, in "Vinte Poemas de Amor e uma Canção Desesperada"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Se Me Esqueceres

Quero que saibas/ uma coisa./ / Sabes como é:/ se olho/ a lua de cristal, o ramo vermelho/ do lento outono à minha janela,/ se toco/ junto do lume/ a impalpável cinza/ ou o enrugado corpo da lenha,/ ...

Para não Deixar de Amar-te Nunca

Saberás que não te amo e que te amo/ pois que de dois modos é a vida,/ a palavra é uma asa do silêncio,/ o fogo tem a sua metade de frio./ / Amo-te para começar a amar-te,/ para recomeçar o infinito/...

O Teu Riso

Tira-me o pão, se quiseres,/ tira-me o ar, mas/ não me tires o teu riso./ / Não me tires a rosa,/ a flor de espiga que desfias,/ a água que de súbito/ jorra na tua alegria,/ a repentina onda/ de prat...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE