Alexandre Search
(Heterónimo de Fernando Pessoa)

Portugal



Perseverança

Não digas que o trabalho é desperdiçado,
Nem que o esforço falha ou parece, no fundo;
Não digas que aquele ao dever curvado
É um entre os tantos sonhos do mundo.

Pois não é em vão que em golpes seguidos,
Com pressa medida, em fragor crescente,
O mar actua nos rochedos batidos
E invade a praia, ruidosamente.

É certo que enfrentam suas investidas,
Do seu bater forte parecem troçar,
Esmagam com força as vagas erguidas
E em espuma fazem as ondas rasgar.

Mas ele bate e bate com força
Em dias, semanas, em meses e anos,
Até que apareça mossa sobre mossa
Que mostre seus gastos, pacientes ganhos.

E os anos passam, as gerações vão,
E menores se quedam as rochas cavadas;
Mas ele, com lenta e firme precisão,
Baterá na terra suas altas vagas.

Certo como o sol e despercebido
Como duma árvore é o seu crescer,
Trabalha, trabalha sem ser iludido
P'la tenaz imagem que se pode ver.

E quando o seu fim de todo obtém,
Em sonoro embate, p'ra fender, se lança,
Seu poder imenso ainda mantém
E, inda mais além, nas águas avança.

Alexander Search, in "Poesia"
// Consultar versos e eventuais rimas

Outros Poemas de Alexandre Search
(Heterónimo de Fernando Pessoa):

Pesquisa

Quem Sonha Mais?

Quem sonha mais, vais-me dizer —/ Aquele que vê o mundo acertado/ Ou o que em sonhos se foi perder?/ / O que é verdadeiro? O que mais será —/ A mentira que há na realidade/ Ou a mentira que em sonhos...

Ao Meu Maior Amigo

Quando eu morrer, eu sei, tu escreverás/ Triste soneto à morte prematura;/ Dirás que a vida cansa em amargura/ E, pálido e frio, tu me cantarás./ / Nas quadras, reflectido se lerá/ De como, vã e brev...

Mania da Dúvida

Tudo para mim é um duvidar/ Com a normalidade sempre em cisão,/ E o seu incessante perguntar/ Cansa meu coração./ As coisas são e parecem e o nada sustém/ O segredo da vida que contém./ ...
Facebook