Nuno Júdice

Portugal
n. 29 Abr 1949
Poeta/Ensaísta

Poema de Amor

O céu, as linhas de luz na água,
caminhos diferentes para o coração.
A queda de sons diversos na atenta coincidência
dos ouvidos. A relação de uma límpida tarde
com um movimento de ombros junto do teu corpo,
na luminosa sequência da tua voz.
Um andar divino de transparente espectro
sobre o fundo de árvores;
o acentuar da impressão dos teus olhos
na quente atmosfera estagnada.
Mas o súbito levantar do vento dissipou
a primitiva aparência. Um canto lívido
de mortas recordações apenas subsistiu,
o indefinido desgosto dos teus braços,
o remorso de gestos incompletos
que a memória suspende.
Nem me espanto já com a tua proximidade.
Bem vindos, decompostos lábios!
O ranger da cama sobrepõe-se
ao ruído das cigarras.

Nuno Júdice, in "Nos Braços da Exígua Luz"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Inspirações

Sonhos à Vista

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE