Pablo Neruda

Chile
12 Jul 1904 // 23 Set 1973
Poeta [Nobel 1971]

Prende o Teu Coração ao Meu

De noite, amada, prende o teu coração ao meu
e que no sono eles dissipem as trevas
como um duplo tambor combatendo no bosque
contra o espesso muro das folhas molhadas.

Nocturna travessia, brasa negra do sono
interceptando o fio das uvas terrestres
com a pontualidade dum comboio desvairado
que sombra e pedras frias sem cessar arrastasse.

Por isso, amor, prende-me ao movimento puro,
à tenacidade que em teu peito bate
com as asas dum cisne submerso,

para que às perguntas estreladas do céu
responda o nosso sono com uma única chave,
com uma única porta fechada pela sombra.

Pablo Neruda, in "Cem Sonetos de Amor"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Se Me Esqueceres

Quero que saibas/ uma coisa./ / Sabes como é:/ se olho/ a lua de cristal, o ramo vermelho/ do lento outono à minha janela,/ se toco/ junto do lume/ a impalpável cinza/ ou o enrugado corpo da lenha,/ ...

Para não Deixar de Amar-te Nunca

Saberás que não te amo e que te amo/ pois que de dois modos é a vida,/ a palavra é uma asa do silêncio,/ o fogo tem a sua metade de frio./ / Amo-te para começar a amar-te,/ para recomeçar o infinito/...

O Teu Riso

Tira-me o pão, se quiseres,/ tira-me o ar, mas/ não me tires o teu riso./ / Não me tires a rosa,/ a flor de espiga que desfias,/ a água que de súbito/ jorra na tua alegria,/ a repentina onda/ de prat...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE