Cesário Verde

Portugal
25 Fev 1855 // 19 Jul 1886
Poeta

Pró Pudor

Todas as noites ela me cingia
Nos braços, com brandura gasalhosa;
Todas as noites eu adormecia,
Sentindo-a desleixada a langorosa.

Todas as noites uma fantasia
Lhe emanava da fronte imaginosa;
Todas as noites tinha uma mania,
Aquela concepção vertiginosa.

Agora, há quase um mês, modernamente,
Ela tinha um furor dos mais soturnos,
Furor original, impertinente...

Todas as noites ela, ah! sordidez!
Descalçava-me as botas, os coturnos,
E fazia-me cócegas nos pés...

Cesário Verde, in 'O Livro de Cesário Verde'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Inspirações

Lidar com os Outros

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE