Lélia Coelho Frota

Brasil
11 Jul 1938 // 27 Mai 2010
Poeta/Antropóloga

Recém-Casado

É pelos corpos que nos perderemos
de nós mesmos, para nos ganharmos
É pelos beijos que nos despedimos
para nos encontrarmos pelos olhos.
É pela pele que escaldamos
o que em nós havia de secreto:
e é o nosso corpo entregue um corpo estranho
pois pertence só a quem amamos
por quem morosamente devassamos
o alheamento da carne —
o barqueiro, o pastor que a atravessa
num profundo arremesso vagaroso
levantando ondas, ondas, ondas e ervas
a subir e descer vagas e montes
levando-me com ele à raia clara
onde água a quebrar-se eu me constele
na sua barca, conduzida à praia.

Lélia Coelho Frota, in 'Menino Deitado em Alfa'




Outros Poemas de Lélia Coelho Frota:

Facebook

© Copyright 2003-2018 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE