Pablo Neruda

Chile
12 Jul 1904 // 23 Set 1973
Poeta [Nobel 1971]

Se Me Esqueceres

Quero que saibas
uma coisa.

Sabes como é:
se olho
a lua de cristal, o ramo vermelho
do lento outono à minha janela,
se toco
junto do lume
a impalpável cinza
ou o enrugado corpo da lenha,
tudo me leva para ti,
como se tudo o que existe,
aromas, luz, metais,
fosse pequenos barcos que navegam
até às tuas ilhas que me esperam.

Mas agora,
se pouco a pouco me deixas de amar
deixarei de te amar pouco a pouco.

Se de súbito
me esqueceres
não me procures,
porque já te terei esquecido.

Se julgas que é vasto e louco
o vento de bandeiras
que passa pela minha vida
e te resolves
a deixar-me na margem
do coração em que tenho raízes,
pensa
que nesse dia,
a essa hora
levantarei os braços
e as minhas raízes sairão
em busca de outra terra.

Porém
se todos os dias,
a toda a hora,
te sentes destinada a mim
com doçura implacável,
se todos os dias uma flor
uma flor te sobe aos lábios à minha procura,
ai meu amor, ai minha amada,
em mim todo esse fogo se repete,
em mim nada se apaga nem se esquece,
o meu amor alimenta-se do teu amor,
e enquanto viveres estará nos teus braços
sem sair dos meus.

Pablo Neruda, in "Poemas de Amor de Pablo Neruda"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Para não Deixar de Amar-te Nunca

Saberás que não te amo e que te amo/ pois que de dois modos é a vida,/ a palavra é uma asa do silêncio,/ o fogo tem a sua metade de frio./ / Amo-te para começar a amar-te,/ para recomeçar o infinito/...

O Teu Riso

Tira-me o pão, se quiseres,/ tira-me o ar, mas/ não me tires o teu riso./ / Não me tires a rosa,/ a flor de espiga que desfias,/ a água que de súbito/ jorra na tua alegria,/ a repentina onda/ de prat...

Amo-te Sem Saber Como

Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio/ ou seta de cravos que propagam o fogo:/ amo-te como se amam certas coisas obscuras,/ secretamente, entre a sombra e a alma./ / Amo-te como a planta que...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE