Mia Couto

Moçambique
n. 5 Jul 1955
Escritor/Biólogo

Solidão

Aproximo-me da noite
o silêncio abre os seus panos escuros
e as coisas escorrem
por óleo frio e espesso

Esta deveria ser a hora
em que me recolheria
como um poente
no bater do teu peito
mas a solidão
entra pelos meus vidros
e nas suas enlutadas mãos
solto o meu delírio

É então que surges
com teus passos de menina
os teus sonhos arrumados
como duas tranças nas tuas costas
guiando-me por corredores infinitos
e regressando aos espelhos
onde a vida te encarou

Mas os ruídos da noite
trazem a sua esponja silenciosa
e sem luz e sem tinta
o meu sonho resigna

Longe
os homens afundam-se
com o caju que fermenta
e a onda da madrugada
demora-se de encontro
às rochas do tempo

Mia Couto, in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

O Amor, Meu Amor

Nosso amor é impuro/ como impura é a luz e a água/ e tudo quanto nasce/ e vive além do tempo./ / Minhas pernas são água,/ as tuas são luz/ e dão a volta ao universo/ quando se enlaçam/ até se tornare...

Para Ti

Foi para ti/ que desfolhei a chuva/ para ti soltei o perfume da terra/ toquei no nada/ e para ti foi tudo/ / Para ti criei todas as palavras/ e todas me faltaram/ no minuto em que talhei/ o sabor do ...

Pergunta-me

Pergunta-me/ se ainda és o meu fogo/ se acendes ainda/ o minuto de cinza/ se despertas/ a ave magoada/ que se queda/ na árvore do meu sangue/ / Pergunta-me/ se o vento não traz nada/ se o vento tudo ...
Facebook