Mais Populares
Nosso amor é impuro/ como impura é a luz e a água/ e tudo quanto nasce/ e vive além do tempo./ / Minhas pernas são água,/ as tuas são luz/ e dão a volta ao universo/ quando se enlaçam/ até se tornare...
Foi para ti/ que desfolhei a chuva/ para ti soltei o perfume da terra/ toquei no nada/ e para ti foi tudo/ / Para ti criei todas as palavras/ e todas me faltaram/ no minuto em que talhei/ o sabor do ...
O amor nos condena:/ demoras/ mesmo quando chegas antes./ Porque não é no tempo que eu te espero./ / Espero-te antes de haver vida/ e és tu quem faz nascer os dias./ / Quando chegas/ já não sou senão...

Poema
Mia Couto Mia Couto Moçambique
n. 1955 Escritor
  
  
Solidão Aproximo-me da noite
o silêncio abre os seus panos escuros
e as coisas escorrem
por óleo frio e espesso

Esta deveria ser a hora
em que me recolheria
como um poente
no bater do teu peito
mas a solidão
entra pelos meus vidros
e nas suas enlutadas mãos
solto o meu delírio

É então que surges
com teus passos de menina
os teus sonhos arrumados
como duas tranças nas tuas costas
guiando-me por corredores infinitos
e regressando aos espelhos
onde a vida te encarou

Mas os ruídos da noite
trazem a sua esponja silenciosa
e sem luz e sem tinta
o meu sonho resigna

Longe
os homens afundam-se
com o caju que fermenta
e a onda da madrugada
demora-se de encontro
às rochas do tempo

Mia Couto, in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"

Tema(s): Amor  Solidão  Ler outros poemas de Mia Couto 
      Scoop.it

Garantia de Qualidade
O Citador é o maior site de citações, frases, textos e poemas genuínos e devidamente recenseados em língua portuguesa. Desde o ano 2000 que o Citador recolhe counteúdos directamente das fontes bibliográficas, sem recorrer a cópias de outros sites ou contributos duvidosos a partir de terceiros. Tem atenção aos Direitos de Autor.
Pesquisa
© Copyright 2003-2014 Citador - Todos os direitos reservados | webdesign - One Small Step SOBRE O SITE
//