Vinicius de Moraes

Brasil
19 Out 1913 // 9 Jul 1980
Diplomata/Jornalista/Poeta/Compositor

Soneto de Devoção

Essa mulher que se arremessa, fria
E lúbrica aos meus braços, e nos seios
Me arrebata e me beija e balbucia
Versos, votos de amor e nomes feios.

Essa mulher, flor de melancolia
Que se ri dos meus pálidos receios
A única entre todas a quem dei
Os carinhos que nunca a outra daria.

Essa mulher que a cada amor proclama
A miséria e a grandeza de quem ama
E guarda a marca dos meus dentes nela.

Essa mulher é um mundo! — uma cadela
Talvez... — mas na moldura de uma cama
Nunca mulher nenhuma foi tão bela!

Vinicius de Moraes, in 'Antologia Poética'
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente/ Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos/ Das horas que passei à sombra dos teus gestos/ Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos/ Das noit...

Soneto de Fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atento/ Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto/ Que mesmo em face do maior encanto/ Dele se encante mais meu pensamento./ / Quero vivê-lo em cada vão momento/ E em seu lo...

Soneto do Amor Total

AMO-TE TANTO, meu amor... não cante / O humano coração com mais verdade... / Amo-te como amigo e como amante/ Numa sempre diversa realidade./ / Amo-te afim, de um calmo amor prestante/ E te amo além,...