Cândido da Velha

Portugal
n. 18 Jul 1933
Poeta

Soneto de Natal

   «E o terceiro Anjo derramou a sua taça nos rios
   e nas fontes, ficando a água da cor do sangue.»
   Apocalipse, 16:4

Não anuncio a paz, mas sim a guerra.
Um. Anjo vingador comigo vem.
Há dois milénios que percorro a Terra
repetindo a mensagem de Belém.

O coração humano endureceu
à força de sentir a Fé perdida.
E o espírito do Bem? Ensurdeceu
no furacão das ambições da vida.

Por isso trago um Anjo vingador
para ferir de morte a semelhança
do lobo disfarçado de cordeiro:

— Que se cuide quem não sentir Amor
pois matará em si essa criança
inocente que um dia foi primeiro.

Cândido da Velha, in 'Florilégio de Natal'




Outros Poemas de Cândido da Velha:

Facebook

Inspirações

O Tamanho da Mãe

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE