45 Poemas

<< >>

Quem nos Conhece, Amigo, tais quais Fomos? (21)

Nem da erva humilde se o Destino esquece./ Saiba a lei o que vive./ De sua natureza murcham rosas/ E prazeres se acabam./ Quem nos conhece, amigo, tais quais fomos?/ Nem nós os conhecemos./ / Rica...

O Auto-Retrato (22)

No retrato que me faço/ - traço a traço -/ às vezes me pinto nuvem,/ às vezes me pinto árvore.../ / às vezes me pinto coisas/ de que nem há mais lembrança.../ ou coisas que não existem/ mas que um d...

A Encomenda do Silêncio (23)

Já reparaste que tens o mundo inteiro/ dentro da tua cabeça/ e esse mundo em brutal compressão dentro da tua cabeça/ é o teu mundo/ e já reparaste que eu tenho o mundo inteiro/ dentro da minha cabeça...

Auto-Retrato (24)

O'Neill (Alexandre), moreno português,/ cabelo asa de corvo; da angústia da cara,/ nariguete que sobrepuja de través/ a ferida desdenhosa e não cicatrizada./ Se a visagem de tal sujeito é o que vês/ ...

Uma Ausência de Mim (25)

Uma ausência de mim por mim se afirma./ E, partindo de mim, na sombra sobre/ o chão que não foi meu, na relva simples/ o outro ser que sonhei se deita e cisma./ / Sonhei-o ou me sonhei? Sonhou-me o o...

Neste Leito de Ausência (26)

Neste leito de ausência em que me esqueço/ desperta o longo rio solitário:/ se ele cresce de mim, se dele cresço,/ mal sabe o coração desnecessário./ / O rio corre e vai sem ter começo/ nem foz, e o ...

Melhor Destino que o de Conhecer-se (27)

Melhor destino que o de conhecer-se/ Não frui quem mente frui. Antes, sabendo,/ Ser nada, que ignorando:/ Nada dentro de nada./ Se não houver em mim poder que vença/ As Parcas três e as moles do futu...

Ode (28)

Eis-me nu e singelo!/ Areia branca e o meu corpo em cima./ Um puro homem, natural e belo,/ De carne que não peca e que não rima./ / A linha do horizonte é um nível quieto;/ As velas, de cansaço, ador...

A Água (29)

Eu fui a sombra a converter-se em luz,/ E fui a névoa a transformar-se em cor,/ E fui o pranto a consagrar a dor,/ Quando brilhei nos olhos de Jesus./ / E fui a nuvem a buscar a altura,/ E recebi do ...

Já Estou a Ficar Velho (30)

Já estou a ficar velho, ainda que tenha/ esta figura fixa sem idade,/ e me mantenha em forma o aparelho/ a que todos aqui somos sujeitos:/ a correria cega, a suspensão elástica,/ o salto em trave e t...

Defeito de Fabrico (31)

Quando nasci, trazia de origem/ um farol que despejava luz a jorros/ sobre o que quer que fosse,/ mormente sobre as dobras/ pérfidas da noite./ / Mas, por estranho que pareça,/ também os faróis estão...

Outrora (32)

Outrora alguém olhou com os meus olhos/ E alguém sentiu também com meus sentidos./ Alguém foi Eu em sonhos derruídos,/ Alguém viveu de mim ante os teus olhos./ / Por isso se me vejo, me conheço/ De m...

A Tua Boca Adormeceu (33)

A tua boca adormeceu/ parece um cais muito antigo/ à volta da minha boca./ / Mas as palavras querem voltar à terra/ ao fogo do silêncio que sustém as pontes/ perdidas na sua própria sombra./ / E há u...

Mortalmente Compramos Ter Mais Vida que a Vida (34)

A abelha que, voando, freme sobre/ A colorida flor, e pousa, quase/ Sem diferença dela/ À vista que não olha,/ / Não mudou desde Cecrops. Só quem vive/ Uma vida com ser que se conhece/ Envelhece, dis...

Duplo (35)

Olho-me adentro sem cessar e no silêncio/ e na penumbra de mim mesmo não me exprimo/ nesse mim que se esconde e se retrai no vago/ espaço de urna célula e vai construindo/ outro mim de mim, disposto ...

O Segredo (36)

Deus não sabe os meus segredos./ As paredes sem ouvidos não escutam/ a confidência interminável./ O que perco, ninguém sabe. Dissolve-se em mim,/ luminária secreta, sílaba que os lábios não ousam mur...

Pássaros (37)

Eu não sei o nome destes pássaros que viajam alto./ Anjos? Não. Ouve-se-lhes bater o coração./ / Os nazis distribuíam sopa aos pobres/ (vejo na TV como quem diz «nem tudo foi mau»)./ Revejo-me numa f...

Uma Toupeira na Calçada (38)

Vi uma toupeira na calçada./ / As toupeiras não se dão bem em calçadas/ – elas que têm no solo arável o seu habitat –/ mas aquelas estava ali inexplicavelmente./ / Uma aventura que acabou mal,/ pense...

Xácara do Infinito (39)

Fazia papa-luaça/ com lama azul dos paúis;/ e embaciava a vidraça;/ ou de olhos baços, azuis,/ parados, largos, serenos,/ como o silêncio dos mudos,/ ou fitos, picos, pequenos,/ venenos de ângulos ag...

Mordaças (40)

(fragmento)/ / O que somos/ se não somos mais do que/ fôramos, somos e teremos sido/ intactos neste ventre/ sombras na Sombra?/ / Nossos emblemas,/ nossa linguagem e espelhos,/ vagidos na tarde mansa...
<< >>

Facebook

.
© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE