18 Poemas



Esperança (1)

Tantas formas revestes, e nenhuma/ Me satisfaz!/ Vens às vezes no amor, e quase te acredito./ Mas todo o amor é um grito/ Desesperado/ Que apenas ouve o eco.../ Peco/ Por absurdo humano:/ Quero não s...

Cântico da Esperança (2)

Não peça eu nunca/ para me ver livre de perigos,/ mas coragem para afrontá-los./ / Não queira eu/ que se apaguem as minhas dores,/ mas que saiba dominá-las/ no meu coração./ / Não procure eu amigos/ ...

Não Pode Tirar-me as Esperanças (3)

Busque Amor novas artes, novo engenho/ Para matar-me, e novas esquivanças;/ Que não pode tirar-me as esperanças,/ Que mal me tirará o que eu não tenho./ / Olhai de que esperanças me mantenho!/ Vede q...

Os Dois Horizontes (4)

Dois horizontes fecham nossa vida:/ / Um horizonte, — a saudade/ Do que não há de voltar;/ Outro horizonte, — a esperança/ Dos tempos que hão de chegar;/ ...

Spleen (5)

Quando o cinzento céu, como pesada tampa,/ Carrega sobre nós, e nossa alma atormenta,/ E a sua fria cor sobre a terra se estampa,/ O dia transformado em noite pardacenta;/ / Quando se muda a terra em...

O Andaime (6)

O tempo que eu hei sonhado/ Quantos anos foi de vida!/ Ah, quanto do meu passado/ Foi só a vida mentida/ De um futuro imaginado!/ / Aqui à beira do rio/ Sossego sem ter razão./ Este seu correr vazio/...

Somente se Queixa de Amorosas Esquivanças (7)

Ditoso seja aquele que somente/ Se queixa de amorosas esquivanças;/ Pois por elas não perde as esperanças/ De poder nalgum tempo ser contente./ / Ditoso seja quem estando ausente/ Não sente mais que ...

A Teia da Esperança (8)

A teia tecida/ nas noites de esperança,/ rasgada e ferida,/ segue a nossa andança./ / E juntos, mãos dadas,/ olhamos pra ela,/ vontades paradas,/ quais barcos sem vela./ / Amigo, que o braço/ cansado...

Desesperança (9)

Vai-te na aza negra da desgraça,/ Pensamento de amor, sombra d'uma hora,/ Que abracei com delírio, vai-te, embora,/ Como nuvem que o vento impele... e passa./ / Que arrojemos de nós quem mais se abra...

Tarda o que Espera (10)

Não quero as oferendas/ Com que fingis, sinceros,/ Dar-me os dons que me dais./ Dais-me o que perderei,/ Chorando-o, duas vezes,/ Por vosso e meu, perdido./ / Antes mo prometais/ Sem mo dardes, que a...

Ode à Esperança (11)

1/ / Vem, vem, doce Esperança, único alívio/ Desta alma lastimada;/ Mostra, na c'roa, a flor da Amendoeira,/ Que ao Lavrador previsto,/ Da Primavera próxima dá novas./ / 2/ / Vem, vem, doce E...

Para que quero a Glória Fugitiva? (12)

Já é tempo, já, que minha confiança/ Se desça duma falsa opinião;/ Mas Amor não se rege por razão,/ Não posso perder, logo, a esperança./ / A vida sim, que uma áspera mudança/ Não deixa viver tanto u...

Notícias do Bloqueio (13)

Aproveito a tua neutralidade,/ o teu rosto oval, a tua beleza clara,/ para enviar notícias do bloqueio/ aos que no continente esperam ansiosos./ / Tu lhes dirás do coração o que sofremos/ nos dias qu...

Contra a Esperança (14)

É preciso esperar contra a esperança./ Esperar, amar, criar/ contra a esperança/ e depois desesperar a esperança/ mas esperar,/ enquanto um fio de água, um remo,/ peixes/ existem e sobrevivem/ no mei...

Esperanças de um Vão Contentamento (15)

Esperanças de um vão contentamento,/ por meu mal tantos anos conservadas,/ é tempo de perder-vos, já que ousadas/ abusastes de um longo sofrimento./ / Fugi; cá ficará meu pensamento/ meditando nas ho...

Cântico (16)

Limarás tua esperança/ até que a mó se desgaste;/ mesmo sem mó, limarás/ contra a sorte e o desespero./ / Até que tudo te seja/ mais doloroso e profundo./ Limarás sem mãos ou braços,/ com o coração r...

Os Sobreviventes (17)

Quando todos imaginavam a vida sem sentido/ chegaram de manhã os sobreviventes,/ e levantaram suas moradas, estiveram no rio,/ procuravam o rebanho disperso, preparavam/ o alimento, cantavam, derrama...

À Sua Esperança (18)

Esta esperança vã, doce tormento,/ Com que amor lisonjeiro determina/ Acumular estragos à ruína/ Por levantar padrões ao escarmento,/ / Foi crepúsculo breve de um momento,/ Delicado jasmim, frágil bo...


Pesquisa

O Mal da Nossa Literatura

O mal da nossa literatura é não ser bastante forte para enfrentar o desafio dos casos solitários. Há momentos históricos em que a solidão pode passar por desinteresse da sociedade de que se participa...

O Sentimento Religioso Profundo da Ciência

Falando do espírito que anima as investigações científicas modernas, sou da opinião de que todas as brilhantes especulações no reino da ciência nascem de um sentimento religioso profundo e de que sem...
Inspirações

Viver o Presente

Facebook