69 Poemas

<< >>

E à Arte o Mundo Cria (21)

Seguro Assento na coluna firme/ Dos versos em que fico,/ Nem temo o influxo inúmero futuro/ Dos tempos e do olvido;/ Que a mente, quando, fixa, em si contempla/ Os reflexos do mundo,/ Deles se plasma...

Tudo nos Dá o Mundo (22)

Tudo, desde ermos astros afastados/ A nós, nos dá o mundo/ E a tudo, alheios, nos acrescentamos,/ Pensando e interpretando./ A próxima erva a que não chega basta,/ O que há é o melhor./ / Ricardo ...

Pecado Original (23)

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? / Será essa, se alguém a escrever, / A verdadeira história da humanidade. / / O que há é só o mundo verdadeiro, não é nós, só o mundo; / O que n...

A Angústia Insuportável de Gente (24)

Ah, onde estou onde passo, ou onde não estou nem passo, / A banalidade devorante das caras de toda a gente! / Ah, a angústia insuportável de gente! / O cansaço inconvertível de ver e ouvir! / / (Murm...

Mundo (25)

Tenho um amor nas Honduras/ e tenho outro no Nepal/ que o terceiro negro seja/ se for chinês não faz mal/ / me falta ainda da Austrália/ quem sabe do Polo Norte/ me não virá mais algum/ se houver foc...

Rua de Roma (26)

Quero uma rua de Roma/ com seus rubros com seus ocres/ com essa igreja barroca/ essa fonte esse quiosque/ aquele pátio na sombra/ ao longe a luz de um zimbório/ mais o cimo dessa torre/ que não tem r...

A Origem do Mundo (27)

De manhã, apanho as ervas do quintal. A terra,/ ainda fresca, sai com as raízes; e mistura-se com/ a névoa da madrugada. O mundo, então,/ fica ao contrário: o céu, que não vejo, está/ por baixo da te...

Sábio é o que se Contenta com o Espetáculo do Mundo (28)

Sábio é o que se contenta com o espetáculo do mundo,/ E ao beber nem recorda/ Que já bebeu na vida,/ Para quem tudo é novo/ E imarcescível sempre./ / Coroem-no...

Terra - 7 (29)

Onde ficava o mundo?/ Só pinhais, matos, charnecas e milho/ para a fome dos olhos./ Para lá da serra, o azul de outra serra e outra serra ainda./ E o mar? E a cidade? E os rios?/ Caminhos de pedra, s...

O Mundo que eu Venci Deu-me um Amor (30)

O mundo que eu venci deu-me um amor,/ Um troféu perigoso, este cavalo/ Carregado de infantes couraçados./ O mundo que venci deu-me um amor/ Alado galopando em céus irados,/ Por cima de qualquer muro ...

Nuvens (31)

No dia triste o meu coração mais triste que o dia... / Obrigações morais e civis? / Complexidade de deveres, de consequências? / Não, nada... / O dia triste, a pouca vontade para tudo... / Nada... / ...

Acordar na Rua do Mundo (32)

madrugada, passos soltos de gente que saiu/ com destino certo e sem destino aos tombos/ no meu quarto cai o som depois/ a luz. ninguém sabe o que vai/ por esse mundo. que dia é hoje?/ soa o sino sóli...

Escola (33)

O que significa o rio,/ a pedra, os lábios da terra/ que murmuram, de manhã,/ o acordar da respiração?/ / O que significa a medida/ das margens, a cor que/ desaparece das folhas no/ lodo de um charco...

Lisboa (34)

Cidade branca/ semeada/ de pedras/ / Cidade azul/ semeada/ de céu/ / Cidade negra/ como um beco/ / Cidade desabitada/ como um armazém/ / Cidade lilás/ semeada/ de jacarandás/ Cidade dourada/ / semead...

Basta, não Posso Mais, Mundo Enganoso! (35)

Basta, não posso mais, Mundo enganoso!/ Findaram para mim teus vãos prazeres./ Envelheci com eles, que mais queres/ Deste escravo ancião, fraco e rugoso?/ / Se o teu carro triunfal puxei, fogoso,/ Qu...

Algumas Horas Outras (36)

1/ / algumas horas outras invadiram as sedas, os perfumes/ ácidos da louça, não serão recordadas, ou quanto mais/ as recordarmos, mais a ignorância deitará/ os corpos no tapume de vidros, para que em...

Sem outro Intuito (37)

Atirávamos pedras/ à água para o silêncio vir à tona./ O mundo, que os sentidos tonificam,/ surgia-nos então todo enterrado/ na nossa própria carne, envolto/ por vezes em ferozes transparências/ que ...

Estar no Mundo (38)

Ao corpo colados a silenciosas/ colunas de sal pavimentados eis os muros/ paralelos eis as rápidas deformações da/ linguagem (cálido ascetismo)/ de quem arde por dentro — estar no mundo/ é teu caminh...

Usos Deste Mundo (39)

Nas praças uns perguntam novidades;/ Outros dão volta às ruas, ao namoro;/ Este usuras cobrar, esse as demandas/ Lembrar corre ao Juiz que se diverte./ Ir de Jano aprender a ser bifronte,/ De Mercúri...

Aquela que Cantei na Doce Lira (40)

Aquela que cantei na doce lira,/ Que já do Tempo estragos tem sentido,/ Inda veio, com seu garbo fingido,/ Tentar meu coração, que em paz respira./ / Mas, qual duro rochedo que não vira,/ Por mais qu...
<< >>

Facebook

Inspirações

Não há Normas

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE