12 Poemas



A Música (1)

A música p'ra mim tem seduções de oceano!/ Quantas vezes procuro navegar,/ Sobre um dorso brumoso, a vela a todo o pano,/ Minha pálida estrela a demandar!/ / O peito saliente, os pulmões distendidos/...

o suporte da música (2)

o suporte da música pode ser a relação/ entre um homem e uma mulher, a pauta/ dos seus gestos tocando-se, ou dos seus/ olhares encontrando-se, ou das suas/ / vogais adivinhando-se abertas e recíproca...

Por Entre os Sons da Música (3)

Por entre os sons da música, ao ouvido/ como a uma porta que ficou entreaberta/ o que se me revela em ter sentido/ é o que por essa música encoberta/ / acena em vão do outro lado dela/ e eu sinto com...

Pobre Velha Música! (4)

Pobre velha música!/ Não sei por que agrado,/ Enche-se de lágrimas/ Meu olhar parado./ / Recordo outro ouvir-te,/ Não sei se te ouvi/ Nessa minha infância/ Que me lembra em ti./ / Com que ânsia tão r...

Violoncelo (5)

Chorai arcadas/ Do violoncelo!/ Convulsionadas,/ Pontes aladas/ De pesadelo.../ De que esvoaçam,/ Brancos, os arcos.../ Por baixo passam,/ Se despedaçam,/ No rio, os barcos./ Fundas, soluçam/ Caudais...

O Maestro Sacode a Batuta (6)

O maestro sacode a batuta,/ A lânguida e triste a música rompe .../ / Lembra-me a minha infância, aquele dia/ Em que eu brincava ao pé dum muro de quintal/ Atirando-lhe com, uma bola que tinha dum la...

Da Música (7)

A musica derrama-se/ no corpo terroso/ da palavra. Inclina-se/ no mundo em mutação/ do poema./ / A música traz na bagagem/ a memória do sangue; o caminho/ do sol: Lume e cume/ de palavras polidas./ /...

Música (8)

A doce, iriada melodia,/ roxa sombra na tarde escarlate,/ chorosa, ouço-a; bate/ e verte quentura na minha alma fria./ / Quantos anos galgaram lépidos,/ furtivos, maldosos, sobre a minha cabeça!/ E n...

Eu Peneiro o Espírito e Crivo o Ritmo (9)

Eu peneiro o espírito e crivo o ritmo/ Do sangue no amor, o movimento para fora/ O desabrigo completo. Peneiro os múltiplos/ Sentidos da palavra que sopra a sua voz/ Nos pulsos. Crivo a pulsação do c...

Fuga (10)

O músico procura/ Fixar em cada verso/ O cântico disperso/ Na luz, na água e no vento./ / Porém, luz, vento e água/ Variam riso e mágoa,/ De momento a momento./ / E em vão a área dos dedos/ Se eleva!...

Abertura (11)

Eu abria o rádio/ eu abria o aparelho/ era uma flor branca que eu abria/ de sopro/ eu soprava e eu abria a flor/ A flor tocava música com as várias mãos/ das pétalas/ A flor tocava uma simbolização d...

Música (12)

A música vinha duma mansidão de consciência/ era como que uma cadeira sentada sem/ um não falar de coisa alguma com a palavra por baixo/ nada fazia prever que o vento fosse de azul para cima/ e que a...


Pesquisa

Facebook

Uma Mulher sem Areia Nenhuma

Tenho o santo horror da frieza calculada, da boa educação, do prudente juízo duma mulher. Aos homens pertence tudo isso, e a mulher deve ser muito feminina, muito espontânea, muito cheia de pequenino...

A Poesia

... Quantas obras de arte... Já não cabem no mundo... Temos de as pendurar fora dos quartos... Quantos livros... Quantos livrecos... Quem será capaz de os ler?... Se fossem comestíveis... Se numa pan...