60 Poemas

<< >>

Em Cruz não Era Acabado (21)

As crianças viravam as folhas / dos dias enevoados/ e da página do Natal/ nasciam os montes prateados/ / da infância. Intérmina, a mãe / fazia o bolo unido e quente / da noite na boca das crianças/ a...

Voto de Natal (22)

Acenda-se de novo o Presépio no Mundo! / Acenda-se Jesus nos olhos dos meninos! / Como quem na corrida entrega o testemunho, / passo agora o Natal para as mãos dos meus filhos. / / E a corrida que si...

Prelúdio de Natal (23)

Tudo principiava/ pela cúmplice neblina/ que vinha perfumada/ de lenha e tangerinas/ / Só depois se rasgava/ a primeira cortina/ E dispersa e dourada/ no palco das vitrinas/ / a festa começava/ entre...

Natal à Beira-Rio (24)

É o braço do abeto a bater na vidraça?/ E o ponteiro pequeno a caminho da meta!/ Cala-te, vento velho! É o Natal que passa,/ A trazer-me da água a infância ressurrecta./ Da casa onde nasci via-se per...

Natal Chique (25)

Percorro o dia, que esmorece/ Nas ruas cheias de rumor;/ Minha alma vã desaparece/ Na muita pressa e pouco amor./ / Hoje é Natal. Comprei um anjo,/ Dos que anunciam no jornal;/ Mas houve um etéreo de...

Nascença Eterna (26)

Nascença Eterna, / Nasce mais uma vez! / Refaz a humílima Caverna / Que nunca se desfez. / / Distância Transcendente, / Chega-te, uma vez mais, / Tão perto que te aqueças, como a gente, / No bafo dos...

Natal cada Natal (27)

Quando na mais sublime dor,/ A mulher dá à luz,/ Há sempre um Anjo Anunciador/ A murmurar-lhe ao coração — Jesus!/ / Cada criança é o Céu que vem/ Pra nos remir do pecado/ E as palhas d’oiro de Belém...

Litania do Natal (28)

A noite fora longa, escura, fria./ Ai noites de Natal que dáveis luz,/ Que sombra dessa luz nos alumia?/ Vim a mim dum mau sono, e disse: «Meu Jesus...»/ Sem bem saber, sequer, porque o dizia./ / E o...

Elegia de Natal (29)

Era também de noite Era também Dezembro/ Vieram-me dizer que o meu irmão nascera/ Já não sei afinal se o recordo ou se penso/ que estou a recordá-lo à força de o dizerem/ / Mas o teu berço foi o ...

Loa (30)

É nesta mesma lareira, / E aquecido ao mesmo lume, / Que confesso a minha inveja / De mortal / Sem remissão / Por esse dom natural, / Ou divina condição, / De renascer cada ano, / Nu, inocente e huma...

É Tempo de Natal (31)

É tempo de Natal. Exibe-se um pinheiro, / Com lâmpadas de cor, sobre o balcão. / Tem, também, pendurados, a isca do dinheiro / E flocos finos de algodão. / / Nas férias, foge a freguesia / Do final d...

Nasceu um Menino (32)

Nasceu, nasceu um Menino, / Nasceu um Menino mais, / No bercinho pouco fino / Das palhas duns animais!/ / Que num vil curral por quarto / E entre uns pedregulhos nus, / Teve a santa dor do parto / A ...

A Noite de Natal (33)

Era a noite de Natal/ Alegram-se os pequenitos;/ Pois sabem que o bom Jesus/ Costuma dar-lhes bonitos./ / Vão-se deitar os lindinhos/ Mas nem dormem de contentes/ E somente às dez horas/ Adormecem in...

Natal (34)

Natal, antes e agora/ imutável. Feliz/ noite branca sem hora/ no pátio da Matriz./ / Natal: os mesmos sinos/ de repiques iguais./ Brinquedos e meninos,/ Natal de outros natais./ / A Banda, vozes, pas...

Noite de Natal (35)

[A um pequenito, vendedor de jornais]/ / Bairro elegante, – e que miséria!/ Roto e faminto, à luz sidéria,/ O pequenito adormeceu.../ / Morto de frio e de cansaço,/ As mãos no seio, erguido o braço/ ...

Natal (36)

Foi tudo tão pontual / Que fiquei maravilhado. / Caiu neve no telhado / E juntou-se o mesmo gado / No curral. / / Nem as palhas da pobreza / Faltaram na manjedoira! / Palhas babadas da toira / Que ru...

Natal (37)

Perguntei pelo Natal, / indicaram-me os rochedos. / Subi a altas montanhas,/ só trouxe sustos e medos. / / Um mendigo, previdente,/ avisou-me: o Natal / fica na quilha de um barco / que ainda nem é p...

Natal... Natais... (38)

Tu, grande Ser, / Voltas pequeno ao mundo. / Não deixas nunca de nascer! / Com braços, pernas, mãos, olhos, semblante, / Voz de menino. / Humano o corpo e o coração divino. / / Natal... Natais... / T...

O Redentor Chorando (39)

Se considero o triste abatimento/ Em que me faz jazer minha desgraça,/ A desesperação me despedaça,/ No mesmo instante, o frágil sofrimento./ / Mas súbito me diz o pensamento,/ Para aplacar-me a dor ...

Último Natal (40)

Menino Jesus, que nasces / Quando eu morro, / E trazes a paz / Que não levo, / O poema que te devo / Desde que te aninhei / No entendimento, / E nunca te paguei / A contento / Da devoção, / Mal entoa...
<< >>

Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE