11 Poemas



Soneto de Separação (1)

DE REPENTE do riso fêz-se o pranto/ silencioso e branco como a bruma/ E das bocas unidas fêz-se espuma/ E das mãos espalmadas fêz-se o espanto./ / De repente da calma fêz-se o vento/ Que dos olhos de...

Como um Adeus Português (2)

Meu amor, desaparecido no sono como sonho de outro sonho,/ meu amor, perdido na música dos versos que faço e recomeço,/ meu amor por fim perdido./ / Nenhuma lâmpada se acende na câmara escura do esqu...

Bilhete (3)

Nada me dês nem peças./ E não meças/ O que podias dar e receber./ Fecha a própria riqueza do teu ser./ / Um de nós era a mais/ À lírica janela.../ Olharam-se os zagais,/ Mas não houve novela./ / A vi...

As Frágeis Hastes (4)

Não voltarei à fonte dos teus flancos/ ao fogo espesso do verão/ a escorrer infatigável/ dos espelhos, não voltarei./ / Não voltarei ao leito breve/ onde quebrámos uma a uma/ todas as frágeis/ hastes...

Requiescat (5)

Por que me vens, com o mesmo riso,/ Por que me vens, com a mesma voz,/ Lembrar aquele Paraíso,/ Extinto para nós?/ / Por que levantas esta lousa?/ Por que, entre as sombras funerais,/ Vens acordar o ...

Adeus! Caro de Mais te Possuía (6)

Adeus! caro de mais te possuía,/ sabes a estimativa em que te trazem;/ carta de teu valor dá-te franquia,/ meus vínculos a ti já se desfazem./ Como reter-te sem consentimento/ e onde mereço essa riqu...

Constância Feminina (7)

Agora já me amaste por um dia inteiro./ Amanhã, quando partires, o que dirás?/ Irás antedatar algum voto mais recente?/ Ou dizer que, agora,/ Já não somos exactamente os mesmos de antes?/ O...

Interrogação (8)

Sim, preferi deixar-te,/ abandonando/ a dádiva de encontrar-te./ / Quem eras afinal?/ Qual a estrela que te guiava?/ Qual a cor dos teus dias?/ Qual o segredo que em ti eu tentei desvendar?/ / Abando...

Infância (9)

INFÂNCIA./ Uma seta pregada na memória./ Dava-se à vida força, à vida tudo./ Que era o amor nesse tempo? E nós dois/ nos amávamos? Que importa hoje o que foi/ hoje o caminho é andado./ Que forma hoje...

Senhora, porque me Deixas? (10)

Senhora, porque me deixas,/ Quando eu te não deixei?/ Se me deixas, minhas queixas/ A quem é que eu as farei?/ / Senhora do meu deserto,/ Com alegria, ou tristeza,/ Mostra o caminho mais certo/ À min...

Reduzir a Dependência das Coisas (11)

Tudo consiste em reduzir a dependência das coisas./ Partes amanhã. Não mais nos veremos. Um pouco o/ desertor a cada passagem da nossa alma ou/ quem espera para morrer./ / A aquisição de todos estes ...


Facebook

Os Amigos Nunca São para as Ocasiões

Os amigos nunca são para as ocasiões. São para sempre. A ideia utilitária da amizade, como entreajuda, pronto-socorro mútuo, troca de favores, depósito de confiança, sociedade de desabafos, mete nojo...

Analisar as Nossas Relações

Nenhuma mudança psíquica sustentável ocorre rapidamente. São necessários o autoconhecimento, a educação, o treino, a utilização de ferramentas e, em especial, a compreensão básica do mais complexo do...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE