7 Poemas



Calçada de Carriche (1)

Luísa sobe,/ sobe a calçada,/ sobe e não pode/ que vai cansada./ Sobe, Luísa,/ Luísa, sobe,/ sobe que sobe/ sobe a calçada./ / Saiu de casa/ de madrugada;/ regressa a casa/ é já noite fechada./ Na mã...

Poeminha sobre o Trabalho (2)

Chego sempre à hora certa,/ contam comigo, não falho,/ pois adoro o meu emprego:/ o que detesto é o trabalho./ / Millôr Fernandes, in Pif-Paf ...

Um Ofício que Fosse de Intensidade e Calma (3)

Um ofício que fosse de intensidade e calma/ e de um fulgor feliz E que durasse/ com a densidade ardente e contemporâneo/ de quem está no elemento aceso e é a estatura/ da água num corpo de alegria E ...

Poema dum Funcionário Cansado (4)

A noite trocou-me os sonhos e as mãos/ dispersou-me os amigos/ tenho o coração confundido e a rua é estreita/ / estreita em cada passo/ as casas engolem-nos/ sumimo-nos,/ estou num quarto só num quar...

Fábrica (5)

Oh, a poesia de tudo o que é geométrico/ e perfeito,/ a beleza nova dos maquinismos,/ a força secreta das peças/ sob o contacto liso e frio dos metais,/ a segura confiança/ / do saber-se que é assim ...

Quem não Trabuca, não Manduca (6)

Olhai que quem quer comer/ trabalha, lida, e trabuca;/ que quem trabuca manduca/ mil vezes ouvi dizer;/ mas ociosos viver/ e vir comer pão alheio/ é um caso muito feio;/ coma quem sua e trabalha,/ be...

As Empregadas Fabris (7)

Arregaçam a manhã (as empregadas fabris)/ pernas como tesouras/ recortando a calçada/ ferem o lenho da mesa com/ sortes/ de boletim. Uma sirene as trouxe aqui/ (às/ empregadas febris)/ ancas de esboç...


Facebook

.
© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE