28 Poemas

>>

Como se Morre de Velhice (1)

Como se morre de velhice/ ou de acidente ou de doença,/ morro, Senhor, de indiferença./ / Da indiferença deste mundo/ onde o que se sente e se pensa/ não tem eco, na ausência imensa./ / Na ausência,...

Frustração (2)

Foi bonito/ O meu sonho de amor./ Floriram em redor/ Todos os campos em pousio./ Um sol de Abril brilhou em pleno estio,/ Lavado e promissor./ Só que não houve frutos/ Dessa primavera./ A vida disse ...

A Velhice Pede Desculpas (3)

Tão velho estou como árvore no inverno,/ vulcão sufocado, pássaro sonolento./ Tão velho estou, de pálpebras baixas,/ acostumado apenas ao som das músicas,/ à forma das letras./ / Fere-me a luz das lâ...

Tenho uma Saudade tão Braba (4)

Tenho uma saudade tão braba/ Da ilha onde já não moro,/ Que em velho só bebo a baba/ Do pouco pranto que choro./ / Os meus parentes, com dó,/ Bem que me querem levar,/ Mas talvez que nem meu pó/ Mere...

Alma Serena (5)

Alma serena, a consciência pura,/ assim eu quero a vida que me resta./ Saudade não é dor nem amargura,/ dilui-se ao longe a derradeira festa./ / Não me tentam as rotas da aventura,/ agora sei que a m...

Os Velhos (6)

Todos nasceram velhos — desconfio./ Em casas mais velhas que a velhice,/ em ruas que existiram sempre — sempre/ assim como estão hoje/ e não deixarão nunca de estar:/ soturnas e paradas e indeléveis/...

Envelhecer (7)

É bom envelhecer!/ / Sentir cair o tempo,/ magro fio de areia,/ numa ampulheta inexistente!/ / Passam casais jovens/ abraçados!.../ / As árvores/ balançam novos ramos!.../ / E o fio de areia/ a cair,...

Nunca Envelhecerás (8)

A tua cabeleira/ é já grisalha ou mesmo branca?/ Para mim é toda loira/ e circundada de estrelas./ Sobre ela/ o tempo não poisou/ o inverno dos anos/ que se escoam maldosos/ insinuando rugas, fios br...

Velho Cego, Choravas (9)

Velho cego, choravas quando a tua vida/ era boa, e tinhas em teus olhos o sol:/ mas se tens já o silêncio, o que é que tu esperas,/ o que é que esperas, cego, que esperas da dor?/ / No teu canto pare...

Velhinha (10)

Se os que me viram já cheia de graça/ Olharem bem de frente em mim,/ Talvez, cheios de dor, digam assim:/ “Já ela é velha! Como o tempo passa! ...”/ / Não sei rir e cantar por mais que faça!/ Ó minha...
Livro de Mágoas

Pior Velhice (11)

Sou velha e triste. Nunca o alvorecer/ Dum riso são andou na minha boca!/ Gritando que me acudam, em voz rouca,/ Eu, náufraga da Vida, ando a morrer!/ / A Vida, que ao nascer, enfeita e touca/ De alv...
Livro de Mágoas

Estamos Agora em Paz (12)

Estamos agora em paz/ sabendo simular o esquecimento/ / sentados/ / com os olhos no vento/ lá de fora atirado para antes/ de nós as mãos caídas/ nos joelhos mas nada suplicantes/ só esvaídas/ / confo...

O «Ensina-me» (13)

Quando era novo, mandei fazer numa tábua/ A canivete e nanquim a figura dum velho/ A coçar-se no peito por causa da sarna/ Mas de olhar implorativo porque esperava que o ensinassem./ Uma segunda tábu...

Requiem por Mim (14)

Aproxima-se o fim./ E tenho pena de acabar assim,/ Em vez de natureza consumada,/ Ruína humana./ Inválido do corpo/ E tolhido da alma./ Morto em todos os órgãos e sentidos./ Longo foi o caminho e des...

Câmara Escura (15)

A meu pai/ / 3/ / A biografia. Revejo-a em tecidos/ fibrosos, retraindo-se. É já visível/ a anquilose o vento austero/ disperso pelos gestos, mais lentos/ / e difíceis. A migração das aves/ inicia-se...

O Futuro Perfeito (16)

À minha neta Anica/ / A neta explora-me os dentes,/ Penteia-me como quem carda./ Terra da sua experiência,/ Meu rosto diverte-a, parda/ Imagem dada à inocência./ / Finjo que lhe como os ded...

Já Velho e Doente (17)

«Seja a terra da Terceira/ A minha coberta de alma»,/ Disse eu na idade fagueira,/ Em que tudo é força e calma./ / Mas hoje, já velho e doente,/ Em que as almas não se cobrem,/ Hoje sim, peço seriame...

A Velhice é um Vento (18)

A velhice é um vento que nos toma/ no seu halo feliz de ensombramento./ E em nós depõe do que se deu à obra/ somente o modo de não sentir o tempo,/ senão no ritmo interior de a sombra/ passar à trans...

Cabelos Brancos (19)

Cobrem-me as fontes já cabelos brancos,/ Não vou a festas. E não vou, não vou./ Vou para a aldeia, com os meus tamancos,/ Cuidar das hortas. E não vou, não vou./ / Cabelos brancos, vá, sejamos franco...

Velhice (20)

Água do rio Letes, onde passas?/ Venha a mim o teu curso benfazejo/ Que sepulta alegrias ou desgraças/ No mesmo esquecimento sem desejo./ / Quero beber-te por contínuas taças.../ E às horas do passad...
>>

Facebook

Inspirações

Dar ao Amigo

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE