Francisco Joaquim Bingre

Portugal
1763 // 1856
Poeta

Terra

Ó Terra, amável mãe da Natureza!
Fecunda em produções de imensos entes,
Criadora das próvidas sementes
Que abastam toda a tua redondeza!

Teu amor sem igual, sem par fineza,
Teus maternais efeitos providentes
Dão vida aos seres todos existentes,
Dão brio, dão vigor, dão fortaleza.

Tu rasgas do teu corpo as grossas veias
E as cristalinas fontes de água pura
Tens, para a nossa sede, sempre cheias.

Tu, na vida e na morte, com ternura
Amas os filhos teus, tu te recreias
Em lhes dar, no teu seio, a sepultura.

Francisco Joaquim Bingre, in 'Sonetos'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

A Fúria Mais Fatal e Mais Medonha

Das Fúrias infernais foi sempre a Inveja/ No mundo a mais fatal e a mais medonha,/ Pois faz dos bens dos outros a peçonha/ Com que a si mesma se envenena e peja./ / Com ira e com furor, raivosa, arqu...

Quanto é Melhor Calar, que Ser Ouvido

Silêncio divinal, eu te respeito!/ Tu, meu Numen serás, serás meu guia/ Se até 'qui, insensato, errei a via/ De Harpócrates, quebrando o são preceito,/ / Hoje à vista do mal que tenho feito,/ Em ser ...

Paciência, um Sofrimento Voluntário

Tu és, ó Paciência, um sofrimento/ Voluntário, fiel, bem ordenado,/ Da conhecida sem razão tirado,/ De um constante varão nobre ornamento./ / Tu, recolhendo n'alma o pensamento,/ Suportas com valor o...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE