Florbela Espanca

Portugal
8 Dez 1894 // 8 Dez 1930
Poetisa

Trazes-me em Tuas Mãos de Vitorioso

Trazes-me em tuas mãos de vitorioso
Todos os bens que a vida me negou,
E todo um roseiral, a abrir, glorioso
Que a solitária estrada perfumou.

Neste meio-dia límpido, radioso,
Sinto o teu coração que Deus talhou
Num pedaço de bronze luminoso,
Como um berço onde a vida me pousou.

O silêncio, ao redor, é uma asa quieta...
E a tua boca que sorri e anseia,
Lembra um cálix de tulipa entreaberta...

Cheira a ervas amargas, cheira a sândalo...
E o meu corpo ondulante de sereia
Dorme em teus braços másculos de vândalo...

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE