Manuel Lopes Fonseca

Portugal
12 Out 1911 // 11 Mar 1993
Escritor/Poeta/Cronista

Tu e Eu Meu Amor

Tu e eu meu amor
meu amor eu e tu
que o amor meu amor
é o nu contra o nu.

Nua a mão que segura
outra mão que lhe é dada
nua a suave ternura
na face apaixonada
nua a estrela mais pura
nos olhos da amada
nua a ânsia insegura
de uma boca beijada.

Tu e eu meu amor
meu amor eu e tu
que o amor meu amor
é o nu contra o nu.

Nu o riso e o prazer
como é nua a sentida
lágrima de não ver
na face dolorida
nu o corpo do ser
na hora prometida
meu amor que ao nascer
nus viemos à vida.

Tu e eu meu amor
meu amor eu e tu
que o amor meu amor
é o nu contra o nu.

Nua nua a verdade
tão forte no criar
adulta humanidade
nu o querer e o lutar
dia a dia pelo que há-de
os homens libertar
amor que a eternidade
é ser livre e amar.

Tu e eu meu amor
meu amor eu e tu
que o amor meu amor
é o nu contra o nu.

Manuel da Fonseca, in "Poemas para Adriano"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Antes que Seja Tarde

Amigo,/ tu que choras uma angústia qualquer/ e falas de coisas mansas como o luar/ e paradas/ como as águas de um lago adormecido,/ acorda!/ Deixa de vez/ as margens do regato solitário/ onde te mira...

Noite de Sonhos Voada

Noite de sonhos voada/ cingida por músculos de aço,/ profunda distância rouca/ da palavra estrangulada/ pela boca armodaçada/ noutra boca,/ ondas do ondear revolto/ das ondas do corpo dela/ tão domin...

Dona Abastança

«A caridade é amor»/ Proclama dona Abastança/ Esposa do comendador/ Senhor da alta finança./ / Família necessitada/ A boa senhora acode/ Pouco a uns a outros nada/ «Dar a todos não se pode.»/ / Já se...
Inspirações

A Casa Onde Moramos

Facebook