Mário Cesariny de Vasconcelos

Portugal
9 Ago 1923 // 26 Nov 2006
Poeta/Pintor

Um Grande Utensílio de Amor

um grande utensílio de amor
meia laranja de alegria
dez toneladas de suor
um minuto de geometria

quatro rimas sem coração
dois desastres sem novidade
um preto que vai para o sertão
um branco que vem à cidade

uma meia-tinta no sol
cinco dias de angústia no foro
o cigarro a descer o paiol
a trepanação do touro

mil bocas a ver e a contar
uma altura de fazer turismo
um arranha-céus a ripar
meia-quarta de cristianismo

uma prancha sem porta sem escada
um grifo nas linhas da mão
uma Ibéria muito desgraçada
um Rossio de solidão

Mário Cesariny, in 'Discurso Sobre a Reabilitação do Real Quotidiano'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE