Luís Amorim de Sousa

Portugal
n. 1937

Um Outro que Não Eu

um outro que não eu
bem mais voraz
concreto
e subtil
te poderá depois talvez contar
destes momentos cúmplices de agora
perfeitos na intimidade
da vaga dor de cabeça

não te posso adiar por minha culpa
não te posso invocar
por excesso de altruísmo ou de rancor

arquitectura fria
dum gesto quase orgulho
do que já lá não coube
se nutre a tua imagem

mais fácil do que tudo
seria perdoar-me

perde-se o vício
por falta de virtude

Luís Amorim de Sousa, in 'Signo da Balança'




Outros Poemas de Luís Amorim de Sousa:

Facebook

Inspirações

A Simples Harmonia

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE