Abílio de Guerra Junqueiro

Portugal
15 Set 1850 // 7 Jul 1923
Escritor/Poeta/Jornalista/Político

Vendo-a Sorrir

(A minha filha)

Filha, quando sorris, iluminas a casa
          Dum celeste esplendor.
A alegria é na infância o que na ave é asa
          E perfume na flor.

Ó doirada alegria, ó virgindade santa
          Do sorriso infantil!
Quando o teu lábio ri, filha, a minha alma canta
          Todo o poema de Abril.

Ao ver esse sorriso, ó filha, se concentro
          Em ti o meu olhar,
Engolfa-se-me o céu azul pela alma dentro
          Com pombas a voar.

Sou o Sol que agoniza, e tu, meu anjo loiro,
          És o Sol que se eleva.
Inunda-me de luz, sorri, polvilha de oiro
          O meu manto de treva!

Guerra Junqueiro, in 'Poesias Dispersas'
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

Morena

Não negues, confessa/ Que tens certa pena/ Que as mais raparigas/ Te chamem morena./ / Pois eu não gostava,/ Parece-me a mim,/ De ver o teu rosto/ Da cor do jasmim./ / Eu não... mas enfim/ É fraca a ...

Regresso ao Lar

Ai, há quantos anos que eu parti chorando / deste meu saudoso, carinhoso lar!... / Foi há vinte?... Há trinta?... Nem eu sei já quando!... / Minha velha ama, que me estás fitando, / canta-me cantigas...

A Minha Filha

(Vendo-a dormir)/ / Que alma intacta e delicada!/ Que argila pura e mimosa!/ É a estrela d'alvorada/ Dentro dum botão de rosa!/ / E, enquanto dormes tranquila,/ Vejo o divino esplendor/ Da alma a sai...