Antero de Quental

Portugal
18 Abr 1842 // 11 Set 1891
Poeta/Filósofo/Político

Visão

(A J. M. Eça de Queiroz)

Eu vi o Amor — mas nos seus olhos baços
Nada sorria já: só fixo e lento
Morava agora ali um pensamento
De dor sem trégua e de íntimos cansaços.

Pairava, como espectro, nos espaços,
Todo envolto n'um nimbo pardacento...
Na atitude convulsa do tormento,
Torcia e retorcia os magros braços...

E arrancava das asas destroçadas
A uma e uma as penas maculadas,
Soltando a espaços um soluço fundo,

Soluço de ódio e raiva impenitentes...
E do fantasma as lágrimas ardentes
Caíam lentamente sobre o mundo!

Antero de Quental, in "Sonetos"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Só! — Ao Ermita Sósinho na Montanha

Só! — Ao ermita sósinho na montanha/ Visita-o Deus e dá-lhe confiança:/ No mar, o nauta, que o tufão balança,/ Espera um sopro amigo que o céo tenha.../ / Só! — Mas quem se assentou em riba estranha,...

Na Mão de Deus

Na mão de Deus, na sua mão direita,/ Descansou afinal meu coração./ Do palácio encantado da Ilusão/ Desci a passo e passo a escada estreita./ / Como as flores mortais, com que se enfeita/ A ignorânci...

Evolução

Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo/ tronco ou ramo na incógnita floresta.../ Onda, espumei, quebrando-me na aresta/ Do granito, antiquíssimo inimigo.../ / Rugi, fera talvez, buscando abrigo/ N...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE