José Tolentino Mendonça

Portugal
n. 15 Dez 1965
Padre/Teólogo/Poeta

A Forma de não Desistir

Parece um verbo idiota, este contrabalançar. Não seria mais correto pensar que as coisas simplesmente são ou não são e deveriam aspirar por todos os meios a essa clareza, ponto final? Contrabalançar dá a ideia de ficar a meio caminho, abdicando daquela inteireza que, contra ventos e marés, objetiva a nossa verdade. Soa a uma prática de equilibrismo existencial, um pé aqui e outro ali, o balanço de lá e de cá. É como se, em vez de lutar por uma unidade imediata, aceitássemos a divisão como ponto de partida ou como processo, condescendendo com a disparidade que nos coube e enredando-nos num jogo de compensações. É como se assumíssemos a nossa trajetória biográfica como alguma coisa que está e não está completamente nas nossas mãos, alguma coisa cindida que, ao mesmo tempo, dominamos e nos ultrapassa, determinando que viver seja, dessa maneira, uma incessante e dolorosa iniciação à arte do possível, sem passar disso.
Estranho verbo este, contrabalançar, que se diria esconder dentro de si a nossa capitulação. E, contudo, em muitas etapas da vida, contrabalançar é precisamente o contrário: é um necessário e desassombrado exercício de sobrevivência. É a única forma de não desistir de escutar e de dar legitimidade, nas condições reais que nos coube experienciar, não apenas àquilo que nos atinge exteriormente, mas também àquilo que emana de dentro de nós, a essa vida soterrada mas que nos pertence mais do que qualquer outra, porque é a expressão singular da nossa alma.

José Tolentino Mendonça, in 'O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas'




Facebook

Inspirações

Eleva a Tua Alma

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE