Lucius Annaeus Seneca

Roma Antiga
-4 // 65
Filósofo, Escritor

A Ira não Escolhe Idade nem Estatuto Social

A ira não escolhe idade nem estatuto social. Algumas pessoas, graças à sua indigência, não conhecem a luxúria; outros, porque têm uma vida movimentada e errante, escapam à preguiça; aqueles que têm modos rudes e uma vida rústica desconhecem as prisões, as fraudes e todos os males da cidade: mas ninguém está livre da ira, tão poderosa entre os Gregos como entre os bárbaros, tão funesta entre aqueles que temem as leis como entre aqueles que se regem pela lei da força. Assim, se outras afecções atacam os indivíduos, a ira é a única afecção que, por vezes, se apodera de um povo inteiro. Nunca um povo inteiro ardeu de amor por uma mulher, nem uma cidade inteira depositou toda a sua esperança no dinheiro e no lucro; a ambição apossa-se de indivíduos, a imoderação não é um mal público.
Por vezes, uma multidão inteira é conduzida à ira: homens e mulheres, velhos e novos, os principais cidadãos e o vulgo são unânimes, e toda a multidão agitada por algumas palavras sobrepõe-se ao próprio agitador: corre a pegar em armas e tochas e declara guerra ao seu vizinho e fá-la contra os seus concidadãos; casas inteiras são queimadas com toda a família e aquele cuja eloquência lhe granjeara muitos benefícios é eliminado pela ira que as suas palavras geraram; as legiões voltam os seus dardos contra o seu general; a plebe inteira separa-se dos seus patrícios; o senado escolhe, em assembleia pública, chefes para dirigirem a sua cólera, sem haver discussão e sem ser nomeado um general, e persegue homens ilustres pelas casas da cidade e submete-os ao suplício; quebram-se os direitos de povos, para ultrajar o embaixador; uma fúria monstruosa toma conta da cidade; sem sequer haver tempo para que a agitação pública se acalme, são recrutados soldados à pressa e armam-se frotas à pressa; sem observar os costumes nem os auspícios, o povo movido pela ira toma por arma aquilo que tem à mão: o desastre é a recompensa obtida pela temeridade da ira petulante. O mesmo acontece com os bárbaros que se arruínam no combate: quando a ideia de uma ofensa fere os seus ânimos impulsivos, precipitam-se e o ressentimento leva-os à ruína; lançam-se sobre as legiões desordenados, temerários e incautos, buscando a sua perdição; adoram expor-se às espadas, lançar os seus corpos sobre as lanças e morrer dos seus ferimentos.

Séneca, in 'Da Ira'




Facebook

© Copyright 2003-2018 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE