Michel Eyquem de Montaigne

França
28 Fev 1533 // 13 Set 1592
Ensaísta/Escritor

A Justa Medida do Esforço do Prazer

Os sábios bem ensinam a nos precavermos contra a traição dos nossos apetities e a discernir entre os prazeres verdadeiros e integrais e os prazeres díspares e mesclados com mais trabalhos. Pois a maioria dos prazeres, dizem eles, excitam e abraçam para nos estrangular (...). E, se a dor de cabeça nos viesse antes da embriaguez, evitaríamos beber demais. Mas a volúpia, para nos enganar, caminha à frente e oculta-nos o seu séquito. Os livros são aprazíveis; mas, se por frequentá-los perdemos afinal a alegria e a saúde, que são as nossas melhores partes, abandonemo-los. Sou dos que julgam que o seu fruto não pode contrabalançar essa perda. Como os homens que há longo tempo se sentem enfraquecidos por alguma indisposição se entregam por fim à mercê da medicina e deixam que lhes estabeleça artificialmente certas regras de viver para não mais ultrapassá-las, assim também aquele que se isola, entediado e desgostoso da vida em comum, deve conformar esta às regras da razão, deve organizá-la e ordená-la com premeditação e reflexão.
Deve dizer adeus a toda a espécie de esforço, sob qualquer aparência que se apresente; e fugir em geral das paixões que impedem a tranquilidade do corpo e da alma, e escolher o caminho que for mais de acordo com o seu humor, Cada qual saiba escolher o caminho que lhe convém (Propércio). No governo do lar, no estudo, na caça e em qualquer outra actividade, é preciso avançar até aos últimos limites do prazer, e evitar embrenhar-se mais adiante, onde começa a entremear-se a fadiga. É preciso observar empenho e preocupação apenas na medida em que são necessários para nos mantermos alerta e para nos preservar dos incómodos que acarreta o outro extremo de uma ociosidade frouxa e entorpecida.

Michel de Montaigne, in 'Ensaios'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE