Pedro Chagas Freitas

Portugal
n. 25 Set 1979
Escritor

A Lamechalândia

Acabo de perceber que estou a escrever mais uma obra lamechas, vivo na Lamechalândia desde que te conheço, e é bom que dói, tão bom que só escrevo só ela, a lamechice é boa mas nunca sozinha, exige que aqui e ali surja o lado negro, a lua existe para valorizar o sol, e o contrário também é verdadeiro, não percebo patavina de astronomia mas de amor percebo, que é o mesmo que dizer que percebo de ti, tento, vá, às vezes consigo,
a Lamechalândia não é só lamechice, não é só cor de rosa, Deus me livre de ser assim, adormecia antes de viver, a Lamechalândia é a capacidade de ser lamechas quando é preciso ser lamechas, quando ser lamechas tem de ser, agora que estamos aqui deitados nesta cama tem de ser, abraço-te a cada letra que escrevo, procuro com as minhas mãos cada centímetro da tua pele sempre que me lembro de que somos assim, ser lamechas é conseguir não pensar em como se vai amar, não pensar no que se vai dizer, olhar o outro e dizer-lhe “procuro-te como se procurasse sobreviver”, e isto não tem nada de mal, a falta de um orgasmo provoca mais conflitos do que a falta de um pão, já o escrevi ou li algures e assino por baixo mesmo que não seja meu, também a falta de lamechice provoca mais conflitos do que a falta de um pão, as pessoas querem ser completas e se existe o forte, o duro, o bruto, o agressivo, o concreto, o assertivo, o másculo, também tem de existir o doce, o suave, o lamechas, claro - ridículo é temer o ridículo, ir à volta do que nos arrebata e não de frente, evitar a euforia só porque eufóricos ninguém nos entende.

Pedro Chagas Freitas, in 'Queres Casar Comigo Todos os Dias, Bárbara?'




Facebook

Inspirações

O Preço da Alma

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE