Franz Kafka

Austria
3 Jul 1883 // 3 Jun 1924
Escritor

A Minha Infelicidade

A evolução foi simples. Quando eu ainda estava contente queria estar descontente, e, com todos os meios que o tempo e a tradição me ofereciam, lancei-me no descontentamento — e então queria outra vez voltar a trás. Assim, fui sempre descontente, até com o meu contentamento. Estranho, como uma coisa a fingir, se usada sistematicamente, se pode tornar realidade. Jogos infantis (embora eu tivesse bem consciência de que eles eram infantis) marcaram o começo do meu declínio intelectual. Cultivei deliberadamente um tique facial, por exemplo, ou então andava pelo Graben com os braços cruzados atrás da cabeça. Um jogo repugnantemente infantil mas com êxito (o meu trabalho literário começou da mesma maneira; só mais tarde, durante a sua evolução, é que veio uma paragem, infelizmente). Se é possível forçar assim a infelicidade sobre nós, é possível forçar o que quer que seja sobre nós. Uma grande parte da minha evolução parece contradizer-me, na medida em que contradiz a minha natureza pensar nisso, não posso afiançar que os primeiros laivos da minha infelicidade eram já uma necessidade interior; eles devem de facto ter uma necessidade, mas não uma necessidade interior — eles lançaram-se sobre mim como um enxame de moscas e poderiam ter sido afastados de mim com a mesma facilidade.
A minha infelicidade na outra margem teria sido tão grande, talvez maior (devido à minha fraqueza); afinal, eu tive alguma experiência disso, a alavanca ainda treme desde a altura em que tentei empurrá-la um pouco — então porque acrescento à infelicidade que esta margem me causa o desejo de atravessar para a outra?

Franz Kafka, in 'Diário (1922)'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE