José Luís Peixoto

Portugal
n. 4 Set 1974
Escritor

43 Textos

<< >>

O Significado do Amor (21)

Eu pensava que conhecia o significado do amor. O amor é o sangue do sol dentro do sol. A inocência repetida mil vezes na vontade sincera de desejar que o céu compreenda. Levantam-se tempestades fráge...
Uma Casa na Escuridão

As Mães não Descansam (22)

Todas as pessoas têm direito a descanso, menos as mães. Para cada tarefa, profissão ou encargo há direito a uma folga, menos para as mães. Se alguma mãe demonstrar a mínima fadiga de ser mãe, haverá ...
Em Teu Ventre

A Leitura Depara-se com uma Série de Obstáculos (23)

A leitura depara-se com uma série de obstáculos, é muito mais fácil sentarmo-nos no sofá a ver televisão do que a ler um jornal até. E a questão parece ser esta sociedade de facilistismo em que deixo...

A Certeza do Nosso Amor (24)

A certeza do nosso amor era calma. Ao escrever, algo de nós se tocava. Ao escrever, sentia-a passar por mim, sentia-a atravessar-me. Depois, fechava os olhos e via-a sorrir. Ainda dentro de mim, mas ...
Uma Casa na Escuridão

A Vida de um Livro (25)

Acredito que a vida de um livro enquanto está nas mãos do autor não é mais importante do que quando está nas mãos do leitor. O leitor é quase sempre um autor ele próprio. É ele que dá significado às ...

Tentar Saber algo Sobre a Morte (26)

Tentar saber algo sobre a morte é tentar saber algo sobre a vida. A literatura dá-nos a ver verdades que só podem ser usadas por nós próprios, que são as nossas convicções e as respostas essenciais a...

A Nossa Religiosidade (27)

Existe sempre, em cada um de nós, uma religiosidade, mesmo em quem se considera ateu. É uma questão civilizacional, que se desvenda em aspectos tão prosaicos como acordarmos todos os dias com a certe...

Tem de se Ser Verdadeiro na Escrita (28)

Tem de se ser verdadeiro na escrita, porque os leitores sentem. A mentira é impossível na boa literatura. E o que procuro, mais do que a beleza ou qualquer outra coisa, é a verdade, livro após livro,...

Em Tudo o que Fiz Bem Pus um Pouco de Ti (29)

Eis o teu rosto iluminado por esta hora de maio.
Ao filho autêntico, basta fechar os olhos para encontrar o rosto da sua mãe.
A fronteira que separa o dentro do fora é vaga de propósi...
Em Teu Ventre

Acreditei que Podia Dar-te um Céu para Brincares (30)

Filho. Gostava que houvesse uma aragem qualquer que me explicasse esse teu sorriso e outra que te explicasse, sem te magoar, o meu silêncio. Gostava de aprender o trejeito dos teus lábios, a maneira ...
Nenhum Olhar

O Outono da Vida (31)

Começa devagarinho. É como tudo. A gente andamos na nossa vida, andamos influídos e está claro que não reparamos. De manhã, temos de pensar no café.
Depois, há-de vir o almoço. Está claro que...
Cal

Na Tua Voz, Irmão (32)

Estavam sentados e não falavam. Cada um olhava para um lado que não via. Atrás dos rostos tristes, cismavam. Pensando, Moisés dizia palavras ao irmão, esperançado de que ele as ouvisse; no pensamento...
Nenhum Olhar

Os Olhos não Permitem a Mentira (33)

Será através dos olhos que passarás aos teus filhos tudo o que souberes.
Pouco valimento será dado às lições que, em vã convicção, te atrevas a dedicar-lhes.
Não poderás ensinar mais ...
Em Teu Ventre

As Pernas Pesadas (34)

Hoje, temos as pernas pesadas com o nosso peso. Andamos a ver onde pomos os pés, a acautelarmo-nos para não cair, porque se partíssemos uma perna era a nossa morte. Sentimos uma tremura invisível nas...
Nenhum Olhar

O Absoluto é um Fardo Insuportável (35)

Para oferecer conforto rudimentar, retirei peso às palavras e às ações.
O conhecimento completo emudece as palavras e tolhe as ações.
O absoluto é um fardo insuportável.
A irr...
Em Teu Ventre

A Mulher de Negro (36)

Os sons da floresta, as árvores, a bicicleta e, ao longe, o silêncio imóvel de um vulto negro. Aproximei-me e era uma mulher vestida de negro. Um xaile negro sobre os ombros. Um lenço negro sobre a c...
Cal

Até Paris (37)

Até Paris
O que o leva a Paris?
Quando estava acordado, o Cosme gostava de fazer perguntas. O homem desculpou-se, precisava de ir aos lavabos. Mal saiu, o Cosme descuidou-se.
...
Livro

Quando Chegar esse Momento (38)

Meu querido, que és o meu querido. Tanto que eu esperei por isto, meu amor bendito. Tantas noites acordada a olhar para o tecto do quarto, a noite inteira a passar tão devagarinho e eu sempre a pensa...
Cal

Este Livro Podia Acabar Aqui (39)

Este livro podia acabar aqui. Sempre gostei de enredos circulares. E a forma que os escritores, pessoas do tamanho das outras, têm para sugerir eternidade. Se acaba conforme começa é porque não acaba...
Livro

Ao Longo da Escrita deste Livro (40)

No ano passado, em outubro, talvez a 27, sei que foi a uma terça-feira, a minha mãe incentivou-me a dar um passeio. Há muito que desistiu de me dissuadir dos livros, tanto lês que treslês, mas mantém...
Livro
<< >>

Facebook

Inspirações

As Nossas Portas

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE