Luís Vaz de Camões

Portugal
1524 // 10 Jun 1580
Poeta

7 Textos



Onde Há Inveja, não Há Amizade (1)

Grande trabalho é querer fazer alegre rosto quando o coração está triste: pano é que não toma nunca bem esta tinta; que a Lua recebe a claridade do Sol, e o rosto, do coração. Nada dá quem não dá hon...

Não se Diz ao Triste que se Alegre (2)

Pouco sabe da tristeza quem, sem remédio para ela, diz ao triste que se alegre; pois não vê que alheios contentamentos a um coração descontente, não lhe remediando o que sente, lhe dobram o que padec...

Nunca Estamos Contentes (3)

Já ouvistes dizer: «Ninho feito, pega morta». Que me dizeis ao contentamento do mundo, onde toda a duração dele está enquanto se alcança? Porque, acabado de passar, acabado de esquecer. E com razão, ...

Não Posso o que Quero (4)

Que graça será esperardes de mim propósitos, em cousa que os não tem para comigo? Pois, ainda que queira, não posso o que quero; que um sentido remontado, de não pôr pé em ramo verde, tudo lhe sucede...

A Mudança de Lugar não Muda a Dor do Sentimento (5)

Quão mal está no caso quem cuida que a mudança de lugar muda a dor do sentimento! E, se não, diga-o quien dijo que la ausencia causa olvido. Porque, enfim, la tierra queda, e, o mais, a...

No Mundo não Tem Boa Sorte Senão quem Tem por Boa a que Tem (6)

Uma cousa sabei de mim: que queria antes o bem do mal, que o mal do bem; porque muito mais se sente o porvir, que o passado; e a morte, até matar, mata. Não sei se sereis marca de voar tão alto; porq...

Três Coisas não se Sofrem sem Discórdia (7)

Príncipes de condição, ainda que o sejam de sangue, são mais enfadonhos que a pobreza; fazem, com sua fidalguia, com que lhe cavemos fidalguias de seus avós, onde não há trigo tão joeirado que não te...


Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE