Marguerite Duras

França
4 Abr 1914 // 3 Mar 1996
Escritora

9 Textos



Nunca Nos Separamos do Primeiro Amor (1)

Já o disse em Hiroshima Mon Amour: o que conta não é a manifestação do desejo, da tentativa amorosa. O que conta é o inferno da história única. Nada a substitui, nem uma segunda história. Nem ...

A Cultura Deve Ser Uma Descoberta Individual de Cada um de Nós (2)

Não se deve intervir, não nos devemos meter nos problemas que cada um tem com a leitura. Não devemos sofrer por causa das crianças que não lêem, perder a paciência. Trata-se da descoberta do continen...

A Dúvida, a Solidão, logo... a Escrita (3)

Na vida, chega um momento - e penso que ele é fatal - ao qual não é possível escapar, em que tudo é posto em causa: o casamento, os amigos, sobretudo os amigos do casal. Tudo menos a criança. A crian...

Um Escritor é Uma Contradição (4)

Um escritor é uma coisa curiosa. É uma contradição e, também, um contra-senso. Escrever também é não falar. É calar. É gritar sem ruído. Um escritor é, muitas vezes, repousante: ouve muito. Não fala ...

A Escrita é o Desconhecido (5)

A escrita é o desconhecido. Antes de escrever não sabemos nada acerca do que vamos escrever. Com toda a lucidez.
É o desconhecido de nós mesmos, da nossa cabeça, do nosso corpo. Não é sequer ...

Não Podemos Escrever Sem a Força do Corpo (6)

A escrita torna-nos selvagens. Regressamos a uma selvajaria de antes da vida. E reconhecêmo-la sempre, é a das florestas, tão velha como o tempo. A do medo de tudo, distinta e inseparável da própria ...

Não Acredito na Palavra Glória (7)

A glória externa está mais ligada à morte que à vida. Quando a glória chega, e se abate sobre qualquer um, o objecto que a provocou já está escrito, no seu caminho, já feito, as obras já foram contab...

Em Cada Livro Que se Escreve, uma Vida Desconhecida (8)

A parte desconhecida da minha vida é a minha vida escrita. Morrerei sem conhecer essa parte desconhecida. Como foi escrito isto, porquê, como o escrevi, não sei, não sei como isto começou. Não se pod...

O Esplendor da Heterossexualidade, pelo Desejo (9)

Somos um objecto, na paixão, totalmente submissos, sem poder prever os golpes que sofremos; aí reside a grandeza, a loucura, o assombro da paixão.
Para mim, o desejo só pode ter lugar entre o ...


Facebook

Inspirações

Mudar a Opinião

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE