Joel Neto

Portugal
n. 3 Mar 1974
Escritor / Cronista

Cidadão do Mundo

De todas as grandes tiradas da História, em boa verdade, aquela que eu mais depressa aprendera a detestar fora essa do «cidadão do mundo», com que a classe média de Lisboa tanto gostava de encher a boca até que alguém a reconhecesse globetrotter, portadora de cartão de crédito e representante dessa nova burguesia do resort de quatro estrelas e da máquina fotográfica digital. Porque ser de todo o lado, percebi-o eu assim que extravasei os limites da terra-mãe, não podia significar outra coisa senão que não se era de lado nenhum - e não ser de lado nenhum, não ter um lugar, um canto de mundo a que regressar, parecera-me sempre a mais triste de todas as condições. Para ser sincero, e apesar das já quase duas décadas que levava de exílio, eu continuava a voltar à terra como se realmente pudesse acordar ao contrário, contorcendo-me e espreguiçando-me e depois fechando-me em concha, até, enfim, adormecer. E, se de alguém ainda conseguia desdenhar com algum método, assim despertando da letargia que nos últimos anos me deixara impávido perante cada vez mais coisas, perante a dor e o próprio prazer, era daqueles que viviam longe há dez ou vinte ou trinta ou mesmo quarenta anos e, apesar disso, continuavam sem voltar, sem voltar nunca, mesmo podendo fazê-lo mil vezes, na convicção de que nada os unia já ao seu paradeiro original. De que seriam feitas essas pessoas, afinal? Que ausência, que inverso, que matéria inerte tinham no sítio do coração? Até que ponto haviam sido abomináveis as suas infâncias, as suas juventudes, para deixá-las assim, sem um pedaço de mundo a que pudessem chamar seu? Eis aquilo que eu me perguntava sempre ao regressar.

Joel Neto, in 'Os Sítios Sem Resposta'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE