José Eduardo Agualusa

Angola
n. 13 Dez 1960
Escritor

Como Amar uma Mulher (e sobreviver)

Esta é uma conversa só para homens. Minhas senhoras, queridas leitoras, por favor saiam neste parágrafo e fechem a página. Saíram?
Será que saíram todas?
Estamos então entre nós. Bom, é que eu preciso de desabafar. Sou um homem que gosta de mulheres. Muita gente acha que não há nisto nada de extraordinário. Enganam-se: são poucos os homens que gostam de mulheres. É para estes, na verdade, que escrevo esta crónica. Os outros, os que pensam que gostam de mulheres — mas nunca entrançaram os cabelos do seu amor —, esses podem também fechar a página.
Agora, sim, estamos entre nós. Dizia eu que gosto de mulheres. O problema é que, por vezes, sinto uma enorme dificuldade em tolerar certas manifestações da natureza feminina. Por exemplo a mania da ordem. Ordenar é sempre uma violência. Nós, homens, respeitamos as obscuras leis da física. Sabemos que o universo caminha para o caos. Contrariar o caos parece-nos uma impiedade. Há uma lógica indomável na desordem natural que um escritório adquire ao fim de largos anos de intensivo uso masculino. Cada coisa no seu lugar incerto. Mostrem-me um escritório arrumado e eu mostrar-vos-ei um espírito desocupado. Mostrem-me uma repartição impecavelmente limpa e ordenada e eu mostrar-vos-ei um dormidouro de apáticos e negligentes.
A paciente desorganização do universo, no entanto, não resiste à fúria arrumadora das mulheres. Um homem leva anos para transtornar convenientemente o seu local de trabalho. E então distrai-se, ou apaixona-se (é a mesma coisa), permite que uma mulher aceda a esse lugar sagrado e em escassas horas ela vira-o de pernas para o ar — isto é, arruma-o.
As mulheres não conseguem compreender porque é que guardamos as esferográficas dentro de um sapato velho. Nós também não compreendemos, mas — meu Deus! — sabemos que isso não é coisa para ser compreendida. E aquele o lugar das esferográficas, certo? Isso basta-nos.
Podia falar ainda da clássica guerra da tampa da sanita mas falta-me espaço. Não resisto no entanto a deixar aqui uma anedota feminista de circulação recente — Pergunta: «Quantos homens são necessários para mudar um rolo de papel higiénico?» Resposta: «Não se sabe, nunca aconteceu.» Acredito. Durante muito tempo pensei que aquilo fosse um processo automático, sei lá, que eles se mudassem a si próprios.
E pronto, desabafei.
Querem saber agora qual o segredo para amar uma mulher e sobreviver?
Eu também.

José Eduardo Agualusa, in 'A Substância do Amor'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE