Jean Cocteau

França
5 Jul 1889 // 11 Out 1963
Autor/Realizador

Depravação e Génio

Uma vez que a maior parte das pessoas encara a santidade como qualquer coisa insulsa e conforme a uma pureza legal, é provável que a depravação represente uma maneira do génio dos sentidos, quer dizer, de desvio até ao extremo de uma vertente descida em liberdade e exterior às regras. Disto resulta que o génio, tal como é aceite, ou antes, tal como é tolerado, constitua uma depravação espiritual análoga a uma depravação dos sentidos. Muitas vezes uma arrasta a outra, e é raro um génio das letras, da escultura ou da pintura não se denunciar e, mesmo que lá não meta a sua carne, fazer prova de uma liberdade de ver, sentir e admirar que ultrapassa os limites consentidos.
(...) Acontece que nos interrogamos com estupefacção sobre as inúmeras depravações de bairro limítrofe que a polícia e os hospitais testemunham. Só poderemos ver nelas o meandro onde os medíocres se perdem quando decidem deixar-se arrastar e sair das regras que lhes foram destinadas.
Traduzam-se estas depravações noutra língua, dê-se-lhes elevação, transcendência, sejam elas revestidas de inteligência, e obter-se-à uma imagem em ponto pequeno das altas depravações que as obras-primas da arte nos valem.
Tal como Picasso apanha o que encontra no lixo e o eleva à dignidade de servir, Proust emprega sem hesitar as suas pequenas depravações secretas para fazer delas uma rica psicologia. Compreendeis o que quero dizer.
É evidente que a admiração obedece aos mesmos mecanismos; porque ela não nos interessa se não for por uma erecção da alma que escapa ao nosso domínio; e de outro modo passa a corresponder ao platonismo, ao diletantismo, ao esteticismo, numa palavra, ao bom gosto que julga obrigatoriamente ao contrário de uma forma de sensualidade transcendente.

Jean Cocteau, in 'Visão Invisível'




Facebook

Inspirações

Amar Produndamente

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE