Osho

Índia
11 Dez 1931 // 19 Jan 1990
Líder Espiritual

Indigno do Amor

Não se pode amar uma pessoa que se detesta a si própria. E nesta terra desgraçada, quase toda a gente se detesta a si própria, toda a gente se condena a si própria. Como poderá você amar uma pessoa que se condena a si própria? Essa pessoa não acreditará em si. Ela não se pode amar a si própria — como é que você se atreve? A pessoa não se pode amar a si própria — como pode você amá-la? Suspeitará de que se trata de uma brincadeira, de um embuste, de uma rasteira. Suspeitará que você tenta enganá-la em nome do amor. Será muito cautelosa, vigilante, e a sua suspeita envenenará o seu ser. Quando você ama uma pessoa que se detesta a si própria, está a tentar destruir o conceito que ela faz de si própria. E ninguém deixa facilmente cair o conceito que faz de si mesmo; esse conceito é a sua identidade. Enfrentá-lo-á, provar-lhe-á de que ela tem razão e você não.

É o que está a acontecer a todos os relacionamentos de amor — ou antes a todos os assim-chamados relacionamentos de amor. Acontece entre marido e mulher, entre amante e amado, entre homem e mulher. Como ousar destruir o conceito que o outro faz de si mesmo? Esse conceito é a sua identidade, é o seu ego, é assim que ele se conhece a si próprio. Se você lho retira, ele deixará de saber quem é. É muito arriscado; ele não pode deixar cair o seu conceito assim tão facilmente. E provar-lhe-á que não é digno de ser amado, que ele só é digno de ser odiado. E o mesmo acontece consigo.

Também você se detesta a si próprio; não pode permitir que alguém o ame. Sempre que alguém se aproxima de si com energia amorosa, você encolhe-se, quer fugir, tem medo. Sabe perfeitamente que é indigno do amor, sabe que é só à superfície que parece ser tão bom, tão bonito; lá no fundo, você é feio. E se deixar que essa pessoa o ame, mais cedo ou mais tarde — e será mais cedo do que mais tarde —, ela acabará por saber como você é na realidade.

Osho, in 'Intimidade'




Nas Livrarias

Intimidade

Osho

Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE