Correspondência

por: Florbela Espanca
Portugal
8 Dez 1894 // 8 Dez 1930
Poetisa

18 Textos



Amar Intensamente (1)

De que vale no mundo ser-se inteligente, ser-se artista, ser-se alguém, quando a felicidade é tão simples! Ela existe mais nos seres claros, simples, compreensíveis e por isso a tua noiva de dantes, ...

Gosto das Belas Coisas Claras e Simples (2)

Para quê alcançar os astros?! Para quê?! Para os desfolhar, por exemplo, como grandes flores de luz! Vê-los, vê-os toda a gente. De que serve então ser poeta se se é igual à outra gente toda, ao reba...

Tenho Saudades da Carícia dos Teus Braços (3)

Tenho saudades da carícia dos teus braços, dos teus braços fortes, dos teus braços carinhosos que me apertam e que me embalam nas horas alegres, nas horas tristes. Tenho saudades dos teus beijos, dos...

Amar não é Ser Egoísta (4)

Tenho a certeza que tu és o meu maior amigo, o mais dedicado, o melhor de todos. Como eu o vi hoje bem! Como tu és leal e bom! Tão diferente de todos os outros homens que para te pagar o que no futur...

O Dom Milagroso de um Grande Amor (5)

Na vida de toda a gente há braçados floridos dessas tolices sem importância. Só a raros eleitos é dado o milagroso dom de um grande amor. Eu teria muita pena que o destino não me trouxesse ess...

O Sucesso para um Grande Amor (6)

Estou contente porque a minha querida não tem ainda o afecto exclusivo e único que há-de sentir um dia por um homem, apesar de todas as suas teorias que há-de ver voar, voar para tão longe ainda!... ...

A Única Coisa que Desculpa o Casamento é o Amor (7)

Na carta que lhe escrevi dava-lhe, como me tinha pedido, a minha opinião sobre o casamento. É a seguinte: acho o casamento uma coisa revoltante! E isto por uma única razão mas que para mim é tudo, pa...

Vim para os Teus Braços Chicoteada pela Vida (8)

Então tu pensas que há muitos casais como nós por esse mundo? Os nossos mimos, a nossa intimidade, as nossas carícias são só nossas; no nosso amor não há cansaços, não há fastios, meu pequenito adora...

Como te Tens Lembrado Hoje de Mim? (9)

O que tens tu feito, amor? Andarás, como segunda-feira, cavaleiro andante a flirtar às janelas das ruas do Alto do Pina, com damas de cem anos?... Cem anos, pelo menos... Eu creio mesmo que tu disses...

Tremo por Ti que És o Meu Único Amigo (10)

António,

Tenho imensas coisas que te dizer e não sei o que hei-de dizer, tão arreliada estou e tão sem cabeça para pensar a coisa mais insignificante deste mundo. Que linda noite, tu...

Uma Mulher sem Areia Nenhuma (11)

Tenho o santo horror da frieza calculada, da boa educação, do prudente juízo duma mulher. Aos homens pertence tudo isso, e a mulher deve ser muito feminina, muito espontânea, muito cheia de pequenino...

O Amor não Passa de uma Pobre Coisa Banal e Incompleta (12)

Perdoo facilmente as ofensas, mas por indiferença e desdém: nada que me vem dos outros me toca profundamente. O amor! Ah, sim, o amor! Linda coisa para versos! A minha dolorosa experiência ensinou-me...

Quer-te Muito a Tua Mulherzinha (13)

Recebi ontem à noite o telegrama que mandaste da Foz. Desejo que tivesses encontrado tudo bem na nossa casinha. Espero com ansiedade a primeira cartinha tua que já cá devia estar. Estou a escrever-te...

Tem-me Custado a Passar o Dia (14)

Então o rico fochinhinho chegou fixe? A rica fochinhinha está mais triste do que a triste noite. O pai chega hoje no comboio da noite e vamos esperá-lo à estação. Que pena não ser o meu preto que che...

Deve Ser Tão Bom Ser Alegre (15)

Deve ser tão bom ser alegre, ser feliz, não é verdade? Ter a alma quente como o estofo de um ninho, ser pequenino em tudo até nos desejos, que bom deve ser, não deve? Os corações pequeninos, os modes...

Porque Andas tão Alegre? (16)

Porque andas tu tão alegre quando eu me sinto triste, desesperadamente triste? Custa tanto ser desprezada quando se tem a consciência imaculada, como um arminho que coisa alguma fosse capaz de mancha...

Podia Ser Alguém na Sociedade Portuguesa (17)

Não me esteja assim tão reconhecido pois tenho a consciência que o não mereço. Que fiz eu? Nada ou quase nada. Tenho pena, hoje que vou envelhecendo, de ter fugido a sete pés de todas as cabotinagens...

A Ternura Cheia de Afecto de uma Pessoa Amiga (18)

Sou bem diferente, sou, das outras mulheres todas. Eu quero antes os meus defeitos que as virtudes de todas as outras. E sou tão amiguinha tua! É espantoso como eu me prendi assim a ti, eu que imagin...


Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE