Khalil Gibran

Líbano
6 Jan 1883 // 10 Abr 1931
Ensaísta/Filósofo/Poeta

Liberdade

E um orador disse: «Fala-nos da liberdade.»
E ele respondeu:
Nos portões da cidade e junto à vossa lareira, vi-vos prostrarem-se e adorarem a vossa própria liberdade, da mesma forma que os escravos se curvam humildemente perante um tirano e o louvam, apesar de ele os matar.
Sim, entre o arvoredo do templo e na sombra da cidadela vi o mais livre entre vós carregar a sua liberdade como um jugo e um par de algemas.
O meu coração sangrou dentro de mim, pois só podeis ser livres quando até mesmo a vontade de procurar liberdade se tornar um arreio, e quando deixardes de falar da liberdade como um objetivo e uma conquista.
Sereis realmente livres, não quando os vossos dias estiverem livres de preocupações, ou as vossas noites isentas da necessidade e de pesar, mas quando estas coisas assolarem as vossas vidas e, apesar disso, vos elevardes acima delas, nus e libertos.
E como vos elevareis acima dos dias e das noites, a menos que quebreis as correntes que, na alvorada do vosso entendimento, apertastes em torno do vosso zénite?
Na verdade, aquilo a que chamais liberdade é a mais forte dessas correntes, embora os seus elos brilhem ao sol e encandeiem os olhos.
E que são essas coisas que eliminaríeis para serdes livres senão fragmentos do vosso próprio Eu?
Se se trata de uma lei injusta que aboliríeis, essa lei foi escrita com a vossa mão, sobre a vossa própria testa.
Não podeis apagá-la queimando os livros de Direito nem lavando a testa dos juízes, ainda que derrameis o mar sobre eles.
E se se tratar de um déspota que gostaríeis de destronar, tratai primeiro de destruir o trono que lhe erguestes dentro de vós.
Pois como pode um tirano governar quem é livre e orgulhoso, exceto por uma tirania que existe na sua liberdade e uma vergonha que existe no seu orgulho?
Se se trata de uma preocupação a que gostaríeis de voltar as costas, essa preocupação foi escolhida por vós, em vez de vos ser imposta.
Se é um medo que desejaríeis suprimir, esse medo mora no vosso coração e não nas mãos de quem temeis.
Na verdade, todas as coisas se movem dentro do vosso ser num meio-abraço constante, as que desejais e as que temeis, as que vos causam repulsa e as que estimais, as que perseguis e as que quereis evitar.
Estas coisas movem-se dentro de vós como luzes e sombras, em pares que se agarram.
Quando uma sombra se desvanece e desaparece, a luz que subsiste torna-se sombra para outra luz.
E, assim, quando a vossa liberdade perde os grilhões, transforma-se ela mesma nos grilhões de uma liberdade maior.

Khalil Gibran, in 'O Livro da Vida'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE