Gonçalo M. Tavares

Portugal
n. 1970
Escritor/Professor

Não se Consegue ser Exterior à Nossa Própria Indiferença

A dificuldade da existência estava precisamente neste problema concreto: por diversas vezes Walser se vira, ao longe, alegre, e também de longe observara a sua própria tristeza ou irritação. Nada de mais. Mas o que nunca conseguira era ser exterior à indiferença; ser exterior a si nos momentos, inúmeros, em que se encontrava neutro face às coisas, inerte e em estado de espera perante a possibilidade de um acto ou do seu contrário. Quanto mais intensidade existia no corpo, mais fácil era afastar-se, ser testemunha de si próprio. As dificuldades de observação privilegiada, de uma existência que lhe pertencia, surgiam assim, de um modo extremo, quando a intensidade dos sentimentos era quase nula. Se ele já não estava – na existência – como se poderia ainda afastar mais?

Mas o que era concretamente este , este outro sítio que por vezes parecia ser o seu centro outras vezes o seu oposto? Sobre a localização geral desse , Walser não tinha dúvidas: era o cérebro. Era ali que tudo se passava ou que tudo o que se passava era observado. Ali fazia, e ali via-se a fazer. Como qualquer louco normal, pensou Walser, e sorriu da fórmula.

Gonçalo M. Tavares, in 'A Máquina de Joseph Walser'





Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE